PUBLICIDADE
boletim boletim
Internacional

Índia estima desviar 3,4 milhões de toneladas de açúcar para produção de etanol em 2022


Agência Safras - 09 ago 2021 - 15:24 - Última atualização em: 09 ago 2021 - 17:54

Participante do painel “Perspectiva para o mercado de etanol até 2030”, dentro do 14º Congresso Nacional da Bioenergia, o diretor geral da Indian Sugar Mills Association (Isma), Abinash Verma, deu a visão da Índia para o tema proposto.

De acordo com dados da Isma, a mistura de etanol na gasolina na Índia, que era de 5% na safra 2019/20, levou ao consumo de 1,73 bilhão de litros. Esta demanda deve quadruplicar até 2025/26, com a mistura passando para 20%, chegando a 10,16 bilhões de litros adicionados ao combustível fóssil. Por enquanto, a meta mais imediata é uma mistura de 10% em 2022, de forma que a média de 2020/21 deve ficar em 8,5%.

Em junho de 2021, o governo da Índia estabeleceu a antecipação da meta de E20 em cinco anos, de 2030 para 2025, incluindo projetos como a inauguração de centros de distribuição de E100 de forma experimental e a introdução de pesquisas para a produção de veículos flexíveis.

Na safra 2019/20, as usinas da Índia direcionaram 800 mil toneladas de açúcar para a produção de etanol; em 2020/21, este número deve chegar a 2,1 milhões de toneladas. Além disso, a Isma estima que 3,4 milhões de toneladas deverão ser desviadas em 2021/22. Já a meta para a temporada 2023/24 chega a 6 milhões de toneladas.

Conforme Verma, o programa de etanol da Índia está crescendo dentro de cinco pilares: aumento de renda para os agricultores, melhora a liquidez da indústria de açúcar, novas oportunidades de investimento, redução da importação de petróleo e, acima de tudo, melhora da qualidade do ar.

Segundo o diretor da Isma, a Índia tem sido extremamente superavitária na produção de açúcar desde 2017, com a linha da oferta quase sempre acima da linha do consumo. Isso se deve basicamente à introdução de novas variedades de cana, muito mais produtivas. “Com isso, sem poder exportar totalmente o superávit para o mercado externo, passamos a acreditar que podemos direcionar mais açúcar para a produção de etanol, reduzindo o excedente”, disse Verma.

Fábio Rübenich


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x