Política

Bolsonaro diz que preço do combustível está alto e culpa governadores


Agência Estado - 19 jul 2021 - 07:54

O presidente Jair Bolsonaro criticou neste domingo, 18, os governadores pelo peso do ICMS, que é um imposto estadual, sobre o preço dos combustíveis, e os culpou pelos efeitos danosos na economia das medidas restritivas decorrentes do avanço da pandemia do novo coronavírus, inclusive com o fechamento de igrejas.

Segundo o presidente, o preço da gasolina na bomba é mais de duas vezes mais caro do que o cobrado na saída das refinarias por conta da carga tributária que incide sobre combustível nos estados.

“Cresceu a arrecadação de ICMS em cima de uma ganância”, disse Bolsonaro na saída do Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde estava internado desde quarta-feira, 14, para tratar uma obstrução intestinal.

O presidente prometeu também reduzir a alíquota da PIS/Cofins cobrada sobre o diesel, em quatro centavos. “Diferente do estado de São Paulo, que aumentou ICMS de combustíveis durante a pandemia”, acrescentou, aproveitando para alfinetar o governador João Doria, seu rival, que já havia mencionado ao contestar a eficácia da vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantã em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Bolsonaro voltou a culpar os governadores também pelo abalo sofrido na economia com o isolamento promovido nos estados e mencionou também o fechamento de igrejas como um sinal do exagero nas medidas tomadas por eles.

O presidente enalteceu o papel do governo federal na distribuição do auxílio emergencial e elogiou o desempenho da Caixa Econômica Federal, que, segundo ele, “está abrindo espaço à agricultura familiar”. “O auxílio emergencial do ano passado foi maior que dez anos de Bolsa Família”, disse.

Marcelo Mota