BASF
Açúcar: Mercado

Governo australiano projeta quatro déficits consecutivos no mercado global de açúcar

Relatório com projeções até 2023/24 enxerga superávit na relação entre produção e consumo apenas em 2018/19


novaCana.com - 22 mai 2019 - 11:28

Usualmente, as projeções de consultorias e empresas especializadas para o mercado global de açúcar são para a safra vigente e, no máximo, para as duas temporadas seguintes; dificilmente arriscam-se números para além disso. Entretanto, o Departamento de Recursos de Agricultura e Água do governo da Austrália (Abares) projetou o mercado de açúcar para até seis safras adiante, chegando a 2023/24.

Em relatório, o Abares afirmou que espera um novo superávit entre o consumo e a produção global de açúcar em 2018/19 – ainda que bem menor que o de 2017/18, passando de 9,96 milhões de toneladas para 980 mil toneladas de açúcar. Este cenário gera aumento dos estoques e pressão para baixo nos preços da commodity.

Porém a situação pode mudar nas safras seguintes. Para 2019/20, o departamento espera um déficit de 160 mil toneladas do adoçante. Para as três temporadas seguintes, são projetados déficits de 1,25 milhão, 1,95 milhão e 500 mil toneladas de açúcar, respectivamente. Já para o último ano da projeção, 2023/24, são esperadas 3 milhões de toneladas superavitárias.

Com isso, segundo a entidade, os preços devem permanecer baixos e instáveis na temporada 2018/19, caindo para cU$12,5/lb. “A volatilidade dos preços em curso é esperada a curto prazo devido à crise de liquidez que se desdobra na indústria açucareira indiana. A situação é resultado dos pagamentos atrasados das usinas aos produtores de cana”, expressa.

Por ora, para tentar liquidar os pagamentos, o governo da Índia aumentou os preços domésticos do açúcar e do etanol. “Espera-se que essas medidas reduzam as exportações indianas abaixo da cota de 5 milhões de toneladas imposta pelo governo”, pontua o relatório.

O Abares também espera que as usinas do Brasil aumentem a quantia de cana destinada para a produção de açúcar devido a suposições de preços mais baixos do petróleo e desvalorização do real. “Assumindo as condições sazonais médias até a próxima colheita no Brasil, um aumento nas exportações brasileiras de açúcar deverá compensar as exportações indianas mais baixas”, aponta.

Já para 2019/20, o governo australiano projeta uma recuperação nos preços para cU$13/lb. A perspectiva é que, considerando condições sazonais médias nos principais produtores mundiais, a produção caia para volumes menores que os do consumo, dando maior sustentação aos preços.

Confira, no conteúdo completo, detalhes da análise da Abares quanto ao mercado global de açúcar.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

ou