PUBLICIDADE
ARMAC
Milho

Brasil pode exportar milho para a China no segundo semestre, diz ministro


Reuters - 26 jul 2022 - 07:40

O Brasil está rediscutindo um protocolo sobre embarques de milho com o governo da China para permitir exportações do cereal já neste segundo semestre, disse o ministro da Agricultura brasileiro nesta segunda-feira, 25.

Marcos Montes comentou que o acordo inicial previa a exportação de milho brasileiro da próxima temporada, mas novas conversas podem permitir embarques da safra de 2022.

“O protocolo inicial era da safra seguinte. O que estamos discutindo, foi discutido hoje já, e será discutido nos próximos dias, é se a gente vai poder exportar da safra atual. Exatamente pela grande produção que nós tivemos”, disse Montes a jornalistas.

O Brasil exporta a maior parte de seu milho no segundo semestre, competindo com fornecedores como os Estados Unidos neste período. A China já é o maior comprador de soja do Brasil, bem como um destino importante para os embarques brasileiros de carne.

Montes disse que o Brasil está colhendo uma grande segunda safra de milho e, segundo ele, os chineses estão interessados em importar o produto brasileiro.

“Será discutido nos próximos dias se poderemos exportar a safra atual de milho”, disse Montes, citando que discussões para revisar o protocolo ocorreram nesta segunda-feira.

“Eles querem imediatamente”, afirmou Montes, referindo-se ao apetite da China pela produção brasileira da atual temporada.

Segundo o ministro, o protocolo abrange milho e outros produtos, incluindo amendoim, polpa cítrica e concentrado de proteína de soja.

O Brasil colheu quase 62% de sua segunda safra de milho no Centro-Sul, segundo dados da consultoria AgRural divulgados nesta segunda-feira.

O milho segunda safra representa de 70% a 75% da produção nacional e é plantado após a soja, nas mesmas áreas.

Este ano, os agricultores brasileiros colherão cerca de 87,3 milhões de toneladas do cereal cultivado na safrinha, disse a AgRural.

As interrupções no fornecimento causadas pela invasão da Ucrânia pela Rússia redefiniram certas rotas comerciais agrícolas, levando os países a diversificar os fornecedores.

Ana Mano

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x