Usinas

Renuka tem pedido de recuperação judicial aceito


novaCana.com - 08 out 2015 - 09:53

O pedido de recuperação judicial apresentado pelas subsidiárias brasileiras do grupo indiano Shree Renuka foi aceito. Agora as quatro usinas da companhia estão oficialmente protegidas contra credores e têm um prazo de 60 dias para apresentar à Justiça o plano de recuperação.

O pedido foi deferido nesta semana pelo juiz Daniel Carnio Costa, da 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial em São Paulo. As empresas envolvidas na decisão são: Revati S/A Açúcar e Álcool, Biovale Comércio de Leveduras Ltda, Ivaicana Agropecuária Ltda, Renuka Vale do Ivaí S/A, Shree Renuka do Brasil Participações Ltda, Shree Renuka São Paulo Participações Ltda., Revati Geradora de Energia Eletrica Ltda, Renuka Cogeração Ltda, Renuka Geradora de Energia Eletrica Ltda, Revati Agropecuária Ltda. e Renuka do Brasil S/A.

O pedido de recuperação judicial foi iniciado em 28 de setembro. Na sentença proferida, o juiz atribuiu um novo valor à causa, que passou a ser de R$ 3,35 bilhões. Esse montante está dentro das expectativas expressadas anteriormente pelo diretor jurídico no Renuka no Brasil, Tony Rivera, que informou idêntico valor ao mesmo tempo em que apontou, entre os principais credores, o Banco do Brasil, Santander e Votorantim.

 “A preservação dos benefícios sociais e econômicos decorrentes da atividade empresarial saudável (que é o objetivo do presente processo), será melhor atendida se enfrentada a situação de crise de maneira global, considerando as empresas integrantes do grupo econômico, e não isoladamente”, afirmou o juiz em sua decisão.

Ainda de acordo com o documento, o interesse dos credores deve ceder ao interesse público e social para garantir o sucesso do processo de recuperação. “Os ônus da recuperação da empresa devem ser divididos de forma equilibrada entre credores e devedores, a fim de que se busque, num ambiente de negociação, a melhor solução para a crise da empresa”, completa.

Além disso, foi nomeada como administradora judicial a empresa Deloitte Touche Tohmatsu Consultores, mesma empresa que atua em outro processo recente de recuperação, o da Dedini, indústria de base do setor sucroenergético. 

A elaboração do plano de recuperação judicial do grupo Renuka deve ser realizado em um prazo máximo de 60 dias, determinando o tratamento a ser dado para cada categoria de credores. Caso esse prazo não seja cumprido, a recuperação judicial será alterada para falência.

Renata Bossle – novaCana.com