Usinas

BP e Bunge colocam à venda negócios de açúcar e etanol; Raízen se interessa

JPMorgan avaliou os ativos da empresa entre R$ 9 bilhões e R$ 10 bilhões; algo entre US$ 55 e US$ 60 por tonelada de cana


Reuters - 09 ago 2022 - 09:38

A petroleira britânica BP e a negociadora de commodities norte-americana Bunge colocaram à venda sua joint venture brasileira de açúcar e etanol, a BP Bunge Bioenergia, conforme noticiou nesta terça-feira, 9, o jornal Valor Econômico.

A reportagem, citando fontes familiarizadas com o assunto, disse que o fundo Mubadala, de Abu Dhabi, e a brasileira Raízen estavam entre os interessados em comprar o negócio. Inclusive, a Raízen já havia avaliado os ativos da Bunge no passado, mas a transação não seguiu adiante.

Conforme as fontes ouvidas pelo Valor, os acionistas também não descartam a venda dos ativos de forma separada.

O JPMorgan foi contratado para assessorar a BP Bunge no negócio, ainda segundo a reportagem, informando que os ativos da empresa foram avaliados entre R$ 9 bilhões e R$ 10 bilhões (US$ 1,96 bilhão). De acordo com a apuração, o número considera um valor entre US$ 55 e US$ 60 por tonelada de cana moída.

Em nota enviada ao Valor Econômico, a Bunge disse que “continua avaliando opções para sair de sua participação firmada na joint venture de açúcar e energia”. A empresa também afirmou que está satisfeita com o desempenho das operações, mas que os ativos não são essenciais para a estratégia geral dos seus negócios.

Procuradas pela Reuters, as empresas BP e Raízen se recusaram a comentar o assunto, enquanto Bunge, Mubadala e JPMorgan não responderam imediatamente aos pedidos de comentários enviados por e-mail.

De acordo com as fontes consultadas pelo Valor, o processo de venda ainda está em fase de propostas não-vinculantes. Isso significa que as empresas estão recebendo ofertas, mas não há contrato de exclusividade entre as partes. A reportagem ainda menciona que o acordo não deve ser fechado antes das eleições.

Além disso, as pessoas ouvidas relataram que, inicialmente, apenas a Bunge queria vender sua participação de 50% no negócio; entretanto, nos últimos dois meses, a BP também mostrou interesse de se desfazer da sua parte.

O acordo da BP e da Bunge para criar a joint venture – que gerencia 11 usinas, com capacidade total de moagem de 32,4 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano – foi anunciado em 2019. Na temporada 2021/22, a receita operacional líquida da empresa foi de R$ 7,2 bilhões, com lucro líquido de cerca de R$ 1,7 bilhão.

Gabriel Araujo
Com informações adicionais do Valor Econômico; tradução e adaptação NovaCana


PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x