PUBLICIDADE
renovacao renovacao
Tecnologia

Combustível sustentável para companhias aéreas ainda é incerto

Além de baixa oferta do produto, motores de aeronaves também precisam ser testados por mais tempo


O Estado de S. Paulo - 04 out 2022 - 08:05

Embora o setor aéreo venha defendendo fortemente o uso de combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês) como parte importante do processo de descarbonização, executivos de companhias aéreas relatam que não só a oferta do insumo é uma preocupação: segundo eles, ainda há incertezas acerca da disponibilidade, nos próximos anos, de aeronaves capazes de voar totalmente com SAF.

A avaliação é que, essa alternativa depende principalmente dos fabricantes de motores e aeronaves. Hoje, companhias aéreas já utilizam SAF, com um limite regulatório de 50%.

No plano das companhias aéreas está previsto que o combustível represente pelo menos 65% da demanda global das aeronaves até 2050, quando o setor pretende atingir a meta de carbono zero. Atualmente, a representatividade do SAF no consumo global não chega a 2%: a capacidade de produção do insumo é de 100 milhões de litros por ano.

Para o CEO da Gol, Celso Ferrer, o papel das fabricantes é fundamental para garantir um futuro com aeronaves 100% SAF ou até mesmo com outros combustíveis sustentáveis, como hidrogênio, por exemplo.

“O que temos tentado fazer é deixar claro que há demanda e que temos disposição para incentivar a produção em alta escala. O papel das fabricantes é fundamental neste contexto, mas não temos ainda uma visibilidade da vida útil (do motor)”, disse durante fórum promovido pela Boeing.

Ele acrescenta que os testes desses motores já vêm sendo feitos e que há uma confiança no mercado de que haverá motores testados e seguros para voos 100% SAF. “Todo mundo está presumindo que vamos ter motores com essa tecnologia daqui a alguns anos”, afirma.

O CEO da Azul, John Rodgerson, aponta que os efeitos de longo prazo do uso integral de SAF nos motores das aeronaves ainda não são totalmente conhecidos. “Precisamos ter certeza de que qualquer combustível é 100% seguro; uma coisa é fazer testes, mas isso ainda não foi feito no longo prazo”, pondera.

O executivo diz que, para voar apenas com SAF, um motor precisa ser desenvolvido para isso. “O motor tem de ser feito para SAF e, hoje, não temos isso. Não há uma turbina certificada para esse combustível. O que estamos dispostos a fazer é trabalhar juntos para deixar claro que, quando tiver o motor pronto, vamos demandar”, afirma.

Juliana Estigarríbia


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x