PUBLICIDADE
ARMAC
Financeiro

Rentabilidade dos produtos sucroenergéticos caiu em 2021/22, mas segue positiva

Análise do Pecege aponta que setor de açúcar e etanol registrou menor produtividade da década em 2021/22 – mas menor oferta ajudou a manter preços elevados


NovaCana - 02 mar 2022 - 15:40 - Última atualização em: 04 mar 2022 - 11:05

O Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas (Pecege) divulgou no último dia 14, uma análise completa da safra 2021/22 e também suas perspectivas para a próxima temporada, prevista para começar em 1º de abril.

De acordo com o documento, esta foi a menor moagem da década, registrando também uma produtividade inferior e redução da área colhida, com a cana perdendo espaço para outras culturas. A entidade prevê que, até 31 de março, serão colhidas 525 milhões de toneladas, uma queda de 13,3% ante o ciclo anterior.

Para completar, os custos de produção também bateram recordes na safra, chegando a ficar acima da inflação. O Pecege destaca os aumentos do diesel, insumos agrícolas e industriais, mão-de-obra e o preço da matéria-prima. Entretanto, as usinas ainda conseguiram manter uma margem de lucro, afinal os produtos também tiveram acréscimos no preço de venda.

Além disso, de acordo com os dados do instituto, usinas com maior porcentagem de cana própria se beneficiaram com geração de caixa no ciclo, uma vez que a matéria-prima vinda de terceiros teve grandes aumentos.

O relatório é assinado pelo gestor de projetos do Pecege, Haroldo Torres, e os analistas, Beatriz Ferreira e Peterson Arias Santos, e utilizou como base números da União da Indústria da Cana-de-açúcar (Unica). Para os dados da safra 2021/22 foram considerados o acumulado até janeiro deste ano.

A amostra contou com 39 grupos econômicos, que representavam 80 unidades agroindustriais, localizadas em oito estados do Centro-Sul. Juntas, as usinas analisadas pelo Pecege processaram 192 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, o que seria equivalente a 37,1% da moagem total dos estados.

Para a análise, a entidade considerou todas as variáveis do ciclo 2021/22, como a alta dos preços dos produtos, e também os custos de produção, que foram pressionados principalmente devido à falta de insumos no mercado, os problemas meteorológicos do ano e a taxa de câmbio desvalorizada.

Confira no texto completo, exclusivo para assinantes NovaCana, o nível de produtividade da safra 2021/22, as perspectivas do Pecege para a próxima temporada e uma análise sobre o RenovaBio e a cogeração de energia.


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



PUBLICIDADE BASF GIGA INTERNAS BASF GIGA INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x