BASF
Financeiro

Elite do setor: Cresce lucro líquido – e cai endividamento – das 36 maiores empresas sucroenergéticas

Ranking das principais empresas do setor traz informações de receita, lucro, dívidas e Ebitda; mesmo entre as maiores companhias, disparidade de desempenho é evidente


novaCana.com - 13 nov 2018 - 09:33

A evolução dos indicadores de receita, lucro líquido e Ebitda, e a diminuição do endividamento oneroso das principais companhias do setor podem ser uma demonstração de como anda o mercado sucroenergético brasileiro. A média do setor, entretanto, esconde uma concentração de bons resultados entre poucas empresas.

Um levantamento anual realizado pelo Valor Econômico mostrou que, em 2016, as companhias que fazem parte da elite do setor conseguiram aproveitar muito bem os efeitos positivos da melhora nos preços internacionais do açúcar e da vantagem cambial. Entretanto, em 2017, o cenário se reverteu.

A lista das 1000 maiores empresas do país trouxe 36 sucroenergéticas. São duas a mais do que no ano anterior – com 34 – e sete a mais que em 2015, quando 29 companhias entraram no ranking geral.

O setor pode comemorar o fato do conjunto de suas maiores empresas ter registrado lucro, algo que também ocorreu em 2016, mas não acontecia desde 2012. No entanto, a disparidade é grande e muitas empresas continuaram no vermelho.

O maior endividamento de 2017 foi o mesmo que em 2016: Atvos. Ainda assim, os R$ 12,8 bilhões devidos são 9,76% menores do que os R$ 14,25 bilhões do ano anterior.

A média do setor esconde uma concentração de bons resultados entre poucas empresas

Confira uma evolução histórica das 10 maiores empresas do setor e os resultados das 36 principais sucroenergéticas em 2017 nos seguintes indicadores:

- Receita líquida
- Lucro líquido
- Ebitda
- Endividamento oneroso


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail