BASF
Financeiro

Contratos da Atvos com o BNDES traçam o caminho da recuperação judicial do grupo

Os financiamentos da empresa começaram em 2007; de lá para cá, a dívida total da Atvos chegou a mais de R$ 11 bilhões


novaCana.com - 09 jul 2019 - 10:03

Em maio deste ano, o grupo Atvos apareceu diariamente no noticiário do setor devido a sua situação financeira delicada. O braço sucroenergético da Odebrecht era o que mais estava sofrendo com a crise financeira e de imagem do grupo, que já dura quatro anos.

Com uma dívida total de R$ 11,96 bilhões, a Atvos entrou com um pedido de recuperação judicial no final do mês. O anúncio veio na sequência de meses de inadimplência e uma tentativa de negociação com os principais credores – porém, não houve acordo com Banco do Brasil e com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Conforme a Folha de São Paulo, o BNDES é o maior dos credores, com R$ 4,1 bilhões a receber, em seguida vem Banco do Brasil, com R$ 3,8 bilhões. Na sequência estão a Caixa Econômica Federal, com R$ 530 milhões, o Itaú, com R$ 390 milhões, e o Bradesco, com R$ 260 milhões.

O novaCana faz um acompanhamento dos financiamentos do BNDES no setor sucroenergético e possui um histórico das transações desde 2002. Neles, é possível constatar a relação da Atvos com o banco e entender melhor a dívida que levou à recuperação judicial da empresa.

Nos últimos 18 anos, foram 973 projetos financiados pelo banco para a Atvos, espalhados em nove anos que somaram R$ 5,18 bilhões. Em todo o período, a companhia foi a segunda que mais recebeu financiamentos do BNDES – atrás apenas da Raízen, a maior companhia nacional do setor, com R$ 8,4 bilhões.

Confira, na versão completa, detalhes da relação entre a Atvos e o BNDES, além de gráficos exclusivos.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

ou