Política

Setor de biogás vê cenário favorável com agenda ambiental fortalecida no governo Lula


Reuters - 01 dez 2022 - 08:20

O setor de biogás enxerga um horizonte favorável à expansão de projetos de geração de energia elétrica e biometano no Brasil no médio e longo prazo, com a demanda crescente ganhando fôlego extra de uma agenda ambiental fortalecida no próximo governo.

Para agentes que participaram do Fórum do Biogás nesta terça-feira, 29, o segmento de gás “verde” seguirá uma trajetória irreversível de crescimento, ancorada no processo de transição energética global, com muito potencial ainda a ser explorado.

“Os programas que temos para biogás e o RenovaBio, já passaram por outros governos, não vejo uma interrupção. Pelo contrário, (vemos) uma pauta ambiental até mais forte, uma vontade de o Brasil se inserir em cadeias globais de descarbonização”, disse o presidente da associação setorial Abiogás, Alessandro Gardemann, durante o evento.

Ele ressaltou que o biogás desponta como uma solução para viabilizar a descarbonização de setores mais complicados, como indústrias químicas e nos transportes.

O biogás é um combustível renovável obtido a partir de resíduos orgânicos urbanos e agropecuários. Seus principais usos são a geração de energia elétrica e a conversão em biometano, um substituto renovável do gás natural.

Embora ainda seja relativamente pequeno, o mercado de biogás vem crescendo no Brasil a partir de incentivos do governo e de investimentos de grandes empresas, como Raízen, Vibra e Urca Energia. Entre 2019 e 2021, o setor dobrou sua capacidade de produção nacional, com a instalação de 140 novas plantas, adicionando 38 megawatts (MW) na geração de energia elétrica e 120 mil m³ por dia de biometano, segundo dados da Abiogás.

A Raízen vê grande valor nas soluções envolvendo biogás e biometano, prevendo ampliar sua produção de forma expressiva até 2030, segundo a COO da Raízen Geo Biogás, Debora Cardoso Vieira.

A executiva disse não enxergar nenhuma ruptura nas políticas de incentivo ao biogás nos próximos anos e defendeu que o grande “divisor de águas” será a criação de um mercado de carbono no país.

“Se a gente conseguir potencializar o atributo verde, separar o físico (produto gás) da monetização do carbono, melhor”, afirmou Vieira, destacando que o grande desafio atual para os projetos é conectar a oferta do biogás e biometano à demanda do cliente.

“O Brasil tem um potencial de monetizar o carbono que ainda não entendemos, é um valor enorme”, disse, acrescentando que no mercado europeu paga-se um prêmio importante para esse tipo de produto.

A Raízen já produz biogás em uma unidade anexa ao parque de bioenergia Bonfim, em Guariba (SP), um projeto em associação com a Geo Energética. A empresa está construindo uma segunda planta de biogás, que será totalmente dedicada à produção de biometano, no parque de bioenergia Costa Pinto, em Piracicaba (PR). Esse projeto conta com R$ 300 milhões em investimentos e terá capacidade de produção de 26 milhões de m³ de biometano por ano.

Segundo a COO, novos projetos de biogás estão sendo prospectados, a fim de que a Raízen consiga levar mais unidades dessas a seus 35 parques de bioenergia espalhados pelo país.

Segundo um estudo da consultoria McKinsey divulgado nesta terça-feira, dada a alta disponibilidade de matéria-prima para o biogás, o Brasil teria potencial para atingir uma produção 460 milhões de MMBTU até 2030 – equivalente a 25% a 30% da demanda de gás natural doméstica –, chegando a um valor de mercado de US$ 7,7 bilhões.

Letícia Fucuchima

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x