PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Política

Ministério da Economia afirma que auxílio ao setor de etanol não está definido

Representante da pasta afirmou que não há definição de aumento da Cide sobre a gasolina, que beneficiaria o setor


Veja.com - 04 mai 2020 - 08:04

O aumento de imposto sobre a gasolina, medida defendida pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e dada como certa pelo setor sucroenergético para aumentar a competitividade do etanol em relação ao outro combustível, ainda não tem o martelo batido, afirmou nesta sexta-feira (1º), o Ministério da Economia. O pedido dos usineiros é que a Cide seja elevada em até 0,20 centavos.

Em entrevista coletiva, o secretário da Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou que não houve decisão sobre um aumento do imposto sobre a gasolina e que, além da Economia, a medida precisa de aval do Ministério de Minas e Energia. “Em um momento oportuno, o ministro Paulo Guedes e o Ministro Bento Albuquerque farão a análise”. Procurado, o Ministério de Minas e Energia disse que as medidas “permanecem em estudo” pelo governo.

Nesta sexta-feira, o deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), da Frente Parlamentar Agropecuária, que vinha negociando o acordo com o governo, comemorou um acerto. Ele afirmou que o setor conseguiu a medida para o aumento da Cide na gasolina, como medida emergencial para o setor. Na quinta-feira, a ministra Tereza Cristina afirmou que a expectativa é que haja uma decisão da Economia até segunda-feira (4). Porém, a fala de Waldery coloca em dúvida a esperança de que as medidas saiam rapidamente.

O setor que produz etanol tem pressionado o governo federal para medidas que possam ajudar a competitividade do setor que vem sofrendo com a pandemia causada pela covid-19. A queda no consumo do combustível, causada pela pandemia, veio junto com preços baixíssimos do petróleo, que influencia também na redução dos preços da gasolina.

“A questão é muito urgente, por isso esperamos uma solução o quanto antes, seja na segunda-feira ou no início da semana. Nossa situação é muito complicada. A queda no consumo e a variação artificial do preço do petróleo causada pela disputa entre os árabes e os russos afetou muito o setor. A safra que temos é a ideal, mas ela encontrou essa tempestade perfeita. Já há suspensão de contratos de trabalho e, se nada mudar nas próximas semanas, podemos começar a ter demissões”, afirma Evandro Gussi, presidente da Unica.

Além do aumento da Cide, que subiria de 0,10 centavos para 0,30 centavos por litro, o setor também defende a taxação de 15% em gasolinas importadas e uma linha de crédito para o setor. Nessa linha de crédito, como garantia, seria dado o estoque de etanol.

Queda na demanda

De acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), a receita com as vendas de etanol na primeira quinzena de abril caíram 50% em relação ao mesmo período de 2019. “O anúncio de medidas emergenciais é absolutamente urgente e necessário para reduzirmos o risco de colapso das atividades do setor”, ressalta o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues.

Como consequência da pandemia, o preço do etanol despencou nas bombas. Na prévia da inflação de abril, divulgada pelo IBGE, o recuo foi de cerca de 9%, enquanto a gasolina caiu menos, cerca de 5,5%. A gasolina tem um rendimento melhor que o etanol nos motores. Por isso que, quando o preço desse combustível cai, o etanol passa a perder competitividade.

Historicamente, quando as cotações do petróleo recuam e a gasolina ganha competitividade sobre o etanol, a indústria sucroalcooleira se volta para a produção de açúcar. Porém, também há queda no preço de açúcar no mercado global, aumentando as perdas do setor.

Larissa Quintino


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x