Política

Em campanha no “cinturão do milho”, Trump promete maior mercado doméstico para etanol

Movimento foi promovido pela senadora republicana Joni Ernst, que é candidata à reeleição; segundo Trump, gasolina com 15% de etanol (E15) pode ser vendida nas bombas de E10


Bloomberg - 14 set 2020 - 12:07

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu que irá permitir que uma gasolina com teor mais elevado de etanol seja distribuída usando as bombas de abastecimento já existentes nos postos de combustíveis. A medida foi projetada para reforçar o apoio vindo dos produtores de milho e biocombustíveis em Iowa, além de outros estados indecisos do Meio-Oeste.

Trump anunciou a decisão via Twitter no sábado após uma conversa com a senadora Joni Ernst, uma republicana de Iowa que pressiona pela mudança como parte de sua própria batalha pela reeleição.

“[Em uma mudança] Sujeita apenas à aprovação do Estado, nossa importante indústria de etanol terá permissão para usar as bombas de 10% para a mistura de 15%”, escreveu Trump.

A medida dá sequência a mudanças anteriores feitas na administração de Trump, destinadas a impulsionar as vendas do etanol de milho nos Estados Unidos e expandir o mercado da gasolina com mistura de 15% do renovável, conhecida como E15. Em 2019, a Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) suspendeu as restrições que bloqueavam a venda de E15 no verão em muitas áreas dos EUA onde a poluição atmosférica é um problema.

Mesmo assim, os defensores do etanol argumentam que mais postos de gasolina seriam atraídos a oferecer E15 se pudessem usar a infraestrutura já existente para distribuí-lo. A maior parte da gasolina vendida nos EUA tem uma mistura de 10% de etanol, conhecida como E10.

Embora Trump diga que esta alteração só precisaria da aprovação dos estados, não está claro se a EPA precisará fazer alguma regulamentação adicional para apoiar a mudança.

“Ótimas notícias para Iowa, nossa comunidade de biocombustíveis, agricultores e economia”, disse Ernst no Twitter. “É para isso que venho pressionando desde que garantimos o E15 durante todo o ano: maior acesso a misturas superiores de etanol e mais opções para os consumidores na bomba”.

Economizando

Para a campanha, Ernst postou um vídeo dela discutindo o assunto com Trump. Nestas eleições, ela está em uma disputa acirrada contra a democrata Theresa Greenfield, recém-chegada política. As pesquisas mostram que a corrida está muito apertada.

Por sua vez, Trump também está lutando pelos eleitores de Iowa. Embora tenha vencido no estado por 9,4 pontos percentuais em 2016, ele agora está na frente do democrata Joe Biden por apenas 1,7 pontos percentuais, conforme uma média de pesquisas recentes feita pelo RealClearPolitics.

Porém o movimento da administração de Trump na direção do setor de biocombustíveis em Iowa, Minnesota e Wisconsin arrisca desgastar o apoio do presidente entre os operários da indústria de petróleo em outros estados importantes, incluindo Texas e Pensilvânia.

Na semana passada, o Trump instruiu a EPA a negar dezenas de pedidos de refinarias para isenção do cumprimento de cotas anuais de uso de combustíveis renováveis, atendendo a um pedido de políticos de Iowa e defensores dos biocombustíveis. Mas, em uma tentativa de compensar a dor econômica resultante e as consequências políticas potenciais entre os interesses do setor de refino, os funcionários da EPA estão desenvolvendo um plano para direcionar a ajuda financeira às companhias petrolíferas afetadas.

Jennifer A Dlouhy
Com reportagem adicional de Mario Parker; tradução novaCana.com