PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Política

Adriano Pires foi indicado por Temer para CNPE e renunciou no governo Bolsonaro

Consultor foi indicado pelo governo Bolsonaro para assumir a Petrobras


EPBR - 29 mar 2022 - 09:01

No final de 2018, Adriano Pires, indicado nesta segunda, 28, pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) para comandar a Petrobras, foi indicado pelo ex-presidente Michel Temer para ocupar uma vaga no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), órgão que assessora o presidente da República na criação de regras e diretrizes para os mercados de petróleo, gás, energia e combustíveis.

Pires, contudo, acabou renunciando ao cargo no começo da gestão de Bento Albuquerque, já no governo Bolsonaro, depois que o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou a anulação das nomeações dele, de Plínio Nastari e de Carlos Quintella.

A representação foi proposta pelo procurador Júlio Marcelo de Oliveira, responsável pelo processo que culminou nas chamadas “pedaladas fiscais” e levou ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

O procurador apontou a existência de “evidente conflito de interesses entre as atividades privadas que cada um deles exerce”, porque os consultores atuam no setor privado e tem suas atividades impactadas pelas decisões do CNPE.

Em sua carta de renúncia, Adriano Pires afirmou que aceitou o convite de Moreira Franco, ministro de Minas e Energia de Temer, “pensando que seria uma oportunidade de ajudar o setor de energia e o país” em um governo que “tem toda a minha simpatia e apoio”. Ele atribuiu seu pedido de desligamento a motivos de “ordem estritamente pessoal” e agradeceu a indicação.

Adriano Pires é diretor-fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), consultoria que assessora empresas e associações do setor de energia. Ele foi assessor do diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), além de ter exercido os cargos de Superintendente de Abastecimento e de Importação e Exportação de Petróleo, seus Derivados e Gás Natural.

Pires também é um dos idealizadores do Fundo de Expansão dos Gasodutos de Transporte e Escoamento da Produção (Brasduto), um plano para financiar a construção de gasodutos no Brasil, que chegou a ser aprovado no Congresso Nacional em 2019, mas foi vetado por Bolsonaro.

Além disso, Adriano Pires e sua consultoria, a CBIE, atuaram a favor da aprovação da MP da Eletrobras com a construção obrigatória de 8GW de térmicas, boa parte em locais sem gasodutos – um dos objetivos é contratar a expansão dessa infraestrutura. O consultor também prestou serviços para a Comgás, distribuidora do grupo Cosan, em discussões regulatórias na Arsesp, agência estadual de São Paulo.

Em 2021, classificou como “gol contra” a oposição do Ministério da Economia de Paulo Guedes à renovação antecipada do contrato de concessão da Comgás. A opinião foi manifestada em artigo no Poder360.

Segundo o MME, Adriano Pires Rodrigues atua por meio do CBIE “coordenando projetos e estudos para a indústria de gás natural, a política nacional de combustíveis, o mercado de derivados de petróleo e gás natural”. Foi professor adjunto do programa de Planejamento Energético da Coppe-UFRJ.

Procurado pela EPBR, o consultor não respondeu imediatamente durante esta cobertura.

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x