Etanol: Mercado

Venda direta de etanol para postos de combustível divide setor sucroenergético

Unica teme que o produtor tenha que arcar com os impostos pagos pelas distribuidoras; para o comentarista Miguel Daoud, mecanismo precisa ser mais estudado


Canal Rural - 20 jan 2020 - 07:17

O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu a tentar agilizar a tramitação do projeto que permite a venda direta de etanol da usina aos postos de combustível. A informação foi divulgada pelo presidente do Sindaçúcar de Alagoas, Pedro Nogueira, que se reuniu com chefe de Estado, nesta quinta-feira, 16, no Palácio do Planalto.

“O presidente acolheu [a proposta]. Disse que coincide, que é projeto dele também resolver essa questão da redução do ‘custo Brasil’ e da simplificação da comercialização do combustível, em defesa do brasileiro”, disse Nogueira. Segundo Bolsonaro, a venda direta reduziria em R$ 0,20 o preço do litro.

O diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Antonio de Padua, afirma que o processo de liberação precisa ser melhor analisado. “Hoje, em tributos federais, R$ 0,13 são recolhidos pelo produtor e R$ 0,11 pela distribuidora. Tirando elas do processo, quem vai recolher esse tributo? O estado e a União não vão querer”, alerta.

Ele defende ser possível liberar a venda direta, desde que mais bem ajustada, para não trazer “consequências” para um mercado que “funciona tão bem”.

De acordo com o comentarista do Canal Rural, Miguel Daoud, a posição de Bolsonaro atende a uma reivindicação do Nordeste, que precisa de um mecanismo como esse, mas precisa ser muito bem pensado. “Antes de tomar uma decisão, precisamos estudar todas as implicações”, diz.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail