Etanol: Mercado: Gasolina

Preços do petróleo recuam de máximas de décadas com expectativa de oferta do Irã


Reuters - 04 mar 2022 - 07:32

O petróleo caiu 2% nesta quinta-feira, 3, depois de atingir preços não vistos em quase uma década, com os vendedores aumentando a esperança de que os Estados Unidos e o Irã cheguem em breve a um acordo que pode adicionar barris a um mercado global apertado.

O comércio foi volátil, com os preços do petróleo saltando para máximas de vários anos diante de preocupações com a Rússia, que exporta de 4 milhões a 5 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo, o segundo maior em todo o mundo, atrás da Arábia Saudita. Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, as empresas estão agora evitando o fornecimento russo e lutando por barris em outros lugares.

Os mercados de petróleo estão em um “clima explosivo” devido à crescente indignação contra a Rússia, disse o analista Phil Flynn, do Price Futures Group. “As pessoas no mundo não querem lidar com um país que está cometendo essas atrocidades na Ucrânia”.

Os futuros do Brent caíram US$ 2,47, ou 2,2%, para US$ 110,46 o barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) recuou US$ 2,93, ou 2,6%, para US$ 107,67 o barril.

Ambos os benchmarks chegaram a máximas de vários anos durante a sessão, com o Brent subindo para US$ 119,84, o maior patamar desde maio de 2012 e o WTI atingindo seu maior nível desde setembro de 2008, a US$ 116,57.

A marca de referência global Brent saltou quase 25% desde a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, uma ação que Moscou chama de “operação especial”. O spread de seis meses do Brent atingiu um recorde de mais de 21 dólares por barril, indicando oferta muito apertada.

Reportagens sugeriram que os Estados Unidos e o Irã quase concluíram um acordo que poderia trazer mais de um milhão de barris de petróleo ao dia, ou cerca de 1% da oferta global, de volta ao mercado.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a Rússia e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, aderiu na quarta-feira a um plano existente para um aumento gradual da produção de 400 mil barris por dia durante um mês, desprezando os pedidos dos consumidores por mais oferta.

Marcy de Luna
Com reportagem de Scott DiSavino, Shadia Nasralla, Florence Tan e Sonali Paul

Tags: Petróleo

PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x