Etanol: Mercado

Consumo de etanol hidratado em setembro é o maior desde fevereiro [30 gráficos]

Volume é 9,18% inferior ao registrado um ano antes, mas 8,34% superior em relação a agosto


NovaCana - 03 nov 2020 - 11:19 - Última atualização em: 01 dez 2020 - 09:32

O ano de 2020 tem sido marcado por alguns extremos no mercado de combustíveis, com estoques elevados e consumo reduzido. Ainda que os impactos da pandemia de coronavírus tenham se arrefecido nos últimos meses, o reflexo na demanda por combustíveis do Ciclo Otto segue apresentando retração.

De janeiro a setembro, o consumo acumulado deste ano foi o menor desde 2012. No total, foram demandados 35,22 bilhões de litros de combustível, enquanto um ano antes este volume foi de 39,64 bilhões de litros.

Este resultado também representa a maior retração em relação ao mesmo período do ano anterior de toda a série histórica, iniciada em 2000: 11,14%. Vale destacar que 2019 foi um ano aquecido na demanda de Ciclo Otto, fator que pode ter contribuído para ampliar a distância.

Além disso, na análise mensal, setembro também terminou com queda no consumo, ficando 1,9% abaixo do resultado visto em 2019. De acordo com os dados divulgados mensalmente pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram consumidos 4,33 bilhões de litros; um ano antes, a demanda foi de 4,41 bilhões de litros.

Dentro deste total, o consumo mensal de etanol hidratado foi de 1,7 bilhão de litros, representando uma redução de 9,18% no comparativo com os 1,87 bilhão de litros de setembro de 2019. Por outro lado, houve um aumento de 8,34% em relação a agosto. Além disso, este é o volume mais elevado desde fevereiro, quando foram consumidos 1,77 bilhões de litros.

Para completar, ainda que a preferência pelo etanol tenha sido menor do que a registrada em setembro de 2019 – de 27,78% ante os 30,02% de um ano antes – a fatia de mercado do biocombustível vem aumentando desde julho.

Na análise acumulada, a demanda por etanol atingiu 13,75 bilhões de litros, retração de 16,03% ante os 16,37 bilhões de litros recordes de um ano antes. Mesmo com a queda, o volume atual é o segundo maior resultado da série histórica para o período de janeiro a setembro.

Enquanto isso, a gasolina teve retração de 9,13% no mesmo comparativo, tendo seu consumo caído de 28,06 bilhões de litros para 25,5 bilhões. Já o consumo mensal subiu de 2,93 bilhões de litros para 3,12 bilhões.

No estado de São Paulo, o consumo mensal do hidratado foi de 885,8 milhões de litros, redução de 9,42% no comparativo com os 977,9 milhões de litros de um ano antes – em linha com a retração do consumo mensal nacional do biocombustível, de 9,18%. Entretanto, o consumo no Ciclo Otto caiu menos no estado, apenas 5,83%, o que significa que houve um maior impacto no renovável do que no fóssil.

Além disso, no estado que mais produz e consome etanol, o hidratado representou 49,75% do consumo total em setembro, ante os 51,74% de um ano antes.

consumo 02 otto mensal nov17 block

consumo 01 otto acumulado nov17 block

consumo 04 hidratado anual nov17 block

consumo 05 hidratado mensal nov17 block

consumo 03 combustiveis evolucao nov17 block

consumo 06 preferencia consumidor nov17 block

novaCana DATA (exclusivo assinantes)

Gabrielle Rumor Koster – novaCana.com


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail



x