PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Etanol: Meio ambiente

Biocombustíveis terão papel importante para reduzir as emissões de carbono até 2050

Segundo o World Energy Outlook, a demanda por petróleo vai cair gradativamente até 2050


NovaCana - 17 nov 2021 - 12:32 - Última atualização em: 17 nov 2021 - 20:41

Idealizado pela Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), o relatório World Energy Outlook (WEO) apresenta uma análise sobre a oferta e demanda global de energia em diferentes cenários, assim como as consequências das atuais metas climáticas e de desenvolvimento econômico.

Normalmente lançado em novembro, o relatório foi distribuído com antecedência para servir como um guia para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), realizada em Glasgow.

Como explica o próprio documento, a COP26 é uma reunião significativa para que os líderes mundiais apresentem novos e mais ambiciosos compromissos em comparação com o Tratado de Paris, assinado em 2015. Assim, o WEO procura trazer um panorama sobre os atuais compromissos feitos pelos governos até agora e o que isso significa para o setor de energia e o clima.

As análises envolvem três contextos distintos: um cenário de políticas declaradas (Steps); as promessas anunciadas pelos governos (APS); e uma possibilidade de zerar as emissões até 2050 (NZE), que seria o principal objetivo a ser alcançado. Este último é especialmente importante para evitar que a temperatura do planeta suba 4 °C até o próximo século.

No Brasil, o cenário “net zero” também é conhecido como carbono zero ou carbono neutro, representando uma meta para que o saldo entre as emissões e remoções de carbono seja nulo. Para alcançar o net zero seriam necessárias novas políticas e demandas globais, que são abordadas no relatório WEO.

Neste ano, o documento afirma que o uso de biocombustíveis tende a crescer fortemente em todos os cenários até a próxima década. E, da mesma forma, a demanda por petróleo deve cair em todos os contextos definidos pelo instituto.

Além disso, o documento também analisou as novas possibilidades para combustíveis à base de hidrogênio, que seriam ainda mais sustentáveis do que os biocombustíveis atuais. Mas eles ainda precisam de mais incentivos e investimento, especialmente para que seus custos de produção diminuam e que esses novos combustíveis também possam chegar a um preço acessível em economias emergentes.

Saiba mais sobre a análise e os cenários no texto completo (exclusivo para assinantes).


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE


x