Distribuidoras

Retomada das atividades favorece vendas e margens das distribuidoras de combustíveis

Flexibilização do isolamento deve elevar a demanda pelos ativos, principalmente a partir do segundo semestre do ano, dizem especialistas


O Estado de S. Paulo - 22 jun 2020 - 07:29

A flexibilização do isolamento deve levar à recuperação de vendas e margens de lucro das distribuidoras de combustíveis. A melhora não será rápida, principalmente no segundo trimestre, por conta das medidas restritivas para conter o avanço do novo coronavírus. Mas analistas dizem que o aumento da demanda por combustíveis vai favorecer, no médio prazo, os ganhos das principais empresas da área no País.

“Certamente, a flexibilização do isolamento elevará a demanda por combustíveis pelo maior movimento e também por recomposição de estoques em empresas”, diz o sócio e economista-chefe do banco digital Modalmais, Alvaro Bandeira. “Consequentemente, é de se esperar recuperação dos volumes de vendas das distribuidoras de combustíveis, porém, partindo de volumes muito baixos de abril e maio”.

Para ele, a recuperação das margens deve acontecer a partir do segundo semestre, apesar de forma lenta. Bandeira afirma que é preciso, por exemplo, “avaliar em detalhes a performance da BR Distribuidora nesse segmento, no qual existem poucas grandes empresas”. Logo após a divulgação do resultado do primeiro trimestre, na semana passada, o presidente da BR Distribuidora, Rafael Grisolia, disse que os impactos da queda de demanda foram fortes em março, mas que o volume de vendas de diesel já está voltando para níveis pré-crise.

A BR afirmou que os volumes de venda no Ciclo Otto (gasolina e etanol) sofreram na última semana de março redução de 55%, em relação à média diária acumulada desde o início do trimestre. Os volumes de diesel sofreram redução de 25% e os do segmento de aviação, diminuição de 60% na mesma comparação. Como consequência, os volumes médios totais do trimestre apresentaram queda de 7,4% em relação ao quarto trimestre de 2019, sendo 14,9% de redução no Ciclo Otto, 6,5% no diesel e 8,2% na aviação.

O estrategista de pessoa física da Santander Corretora, Renato Chanes, afirma que, no caso da gasolina e do etanol, os volumes ainda continuam cerca de 15% menores do que os observados no pré-crise. Ainda assim, eles têm se recuperado da queda de 30% durante o mês de abril, mostrando avanços nas últimas semanas, em linha com a flexibilização das medidas de isolamento.

Quanto à aviação, o cenário continua bastante desafiador, diz ele. Após uma queda inicial entre 90% e 95% em abril, as distribuidoras estão rodando ao redor de 25% da demanda pré-crise.

“Para os próximos meses, nossas expectativas são de que os volumes continuem melhorando. Uma tendência é que o etanol ganhe participação de mercado da gasolina, devido aos repasses de preços da Petrobrás e a sazonalidade favorável da cana de açúcar”, afirma Chanes.

Em termos de resultados, o Santander espera que as empresas listadas tenham mais uma vez perdas com estoques no segundo trimestre, de forma similar ao observado entre janeiro e março deste ano, com volumes ainda baixos e com maiores impactos esperados na Raízen e na BR Distribuidora (por conta da exposição à aviação). Segundo o Santander, a BR Distribuidora tem maior exposição ao B2B (diesel), o que compensa parcialmente a aviação.

Custo do estoque

O custo de estoque e a falta de demanda, somada à dificuldade em repassar preços, deixaram o setor em uma situação difícil no curto prazo, para o analista da Daycoval Investimentos Enrico Cozzolino. Ele diz que o segundo semestre será importante para avaliar o possível início de uma recuperação, caso os volumes vendidos do ciclo Otto e diesel mostrem ao menos uma estabilização de quedas.

A recuperação gradual do setor é a aposta do analista da Guide Investimentos Luis Sales. Para ele, o pior momento ocorreu no meio do segundo trimestre e a recuperação já é percebida desde a segunda quinzena de maio. Para o terceiro período, o analista prevê melhora no volume e também nas margens.

“Por ser um setor altamente correlacionado com a atividade, a retomada deve impulsionar a melhora na rentabilidade das empresas. Com relação às perdas em função do preço do petróleo, observamos esse movimento já no primeiro trimestre deste ano, com o início da queda do preço do petróleo e devemos observar ainda certo impacto no segundo trimestre, mas de forma pontual, visto que os preços do petróleo já mostram uma recuperação na segunda metade do trimestre”, afirma.

Wagner Gomes

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail