Distribuidoras

Brasilcom entra com nova ação judicial para reduzir metas do RenovaBio


EPBR - 19 nov 2020 - 10:45

A Brasilcom decidiu dar prosseguimento à disputa na Justiça pela redução das metas de aquisição de créditos de carbono (CBios), do RenovaBio, após a decisão do Tribunal Federal de Brasília (TRF-1), que esta semana derrubou o mandado de segurança conquistado pela associação, em primeira instância.

“Os advogados estão dando seguimento nessa área jurídica e, infelizmente, vamos caminhar nesse sentido, mas o diálogo está sempre aberto e estamos buscando a melhor solução”, afirmou Abel Leitão, vice-presidente da Brasilcom.

O executivo participou de evento promovido pelo BiodieselBR, nesta quarta (18).

A estratégia é desistir do mandado de segurança contra a ANP e levar a discussão para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), questionado, desta vez, o Ministério de Minas e Energia (MME).

Na primeira instância, a ação mirou atos da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A Brasilcom entende que a definição das metas individuais foi tardia, em setembro, deixando apenas três meses para o cumprimento das obrigações.

“Esse era o caminho que não gostaríamos de trilhar, é sempre uma última opção. Mas somos fiéis às nossas assembleias e o nosso grupo votou pela judicialização”, afirmou Abel Leitão.

A Brasilcom representa, em geral, as distribuidoras com atuação regional. Maiores empresas do ramo, BR e Raízen, não são associadas, por exemplo.

Desembargador reverteu decisão liminar

Jiraim Aram Meguerian acatou os argumentos da ANP, no recurso, e reverteu a decisão liminar que havia reduzido as metas de 2020, atendendo ao pedido da Brasilcom. No mandado de segurança original, as distribuidoras ganharam o direito de cumprir 25% das metas.

A agência argumentou que, em setembro, foi feito o rateio da meta reduzida em 50%, para 14,5 milhões de CBio, após processo de consulta pública do MME e decisão do CNPE. A meta do ano estava dada desde o primeiro trimestre e a revisão levou a uma menor obrigação das distribuidoras.

O desembargador também aceitou o argumento da ANP sobre a ausência de comprovação que não seria razoável o cumprimento das metas em decorrência da pandemia e do impacto no mercado de combustíveis, um dos argumentos da Brasilcom.

Após meses negociados na casa dos R$ 20, os CBios saltaram de preço, para o patamar de R$ 70 por crédito no terceiro trimestre, após a revisão das metas pelo CNPE. A Brasilcom fala, inclusive, em especulação, por meio do represamento de créditos por parte dos produtores de biocombustíveis.

A ANP, por sua vez, pontuou que a meta do ano foi reduzida em 50%, enquanto o mercado de gasolina C, diesel B e etanol hidratado, comercializado pelas distribuidoras, recuou 6,9% no acumulado do ano, até setembro.

Gustavo Gaudarde


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail