Cogeração de energia

Ranking da bioeletricidade: As 100 usinas de cana que mais geraram energia em 2019

Produção total de energia cresceu no último ano; Raízen e CerradinhoBio seguem em destaque


novaCana.com - 16 abr 2020 - 11:47

A geração de energia elétrica por meio do bagaço da cana-de-açúcar frequentemente é levantada como uma boa fonte de receita para as usinas, especialmente em tempos de crise. Afinal, além de permitir a autossuficiência energética, é possível comercializar o excedente e diminuir os resíduos da produção de açúcar e etanol.

Um recente estudo feito pela FG/A, a partir dos resultados de 34 sucroenergéticas, corrobora com essa defesa. Ao simular possibilidades com os dados das empresas, tendo como base os rendimentos com cogeração, a consultoria demonstra que a venda de energia pode ter uma influência positiva no Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) das usinas.

O Instituto de Pesquisa e Educação Continuada em Economia e Gestão (Pecege) vai além e explica que, em um momento de prejuízo com os outros produtos da cana, a cogeração pode salvar o balanço financeiro das usinas, como observado em 2018/19.

Para os pesquisadores, a geração de valor por meio da bioeletricidade é um dos fatores mais relevantes para o aumento na receita das usinas de cana. E tanto eles quanto a FG/A afirmam que os investimentos na área são cada vez mais necessários.

Consequência de novos investimentos ou não, a produção de energia por meio do bagaço da cana aumentou 4,41% em 2019 na comparação com o ano anterior. No total, foram 22,41 terawatts-hora (TWh) produzidos por 191 usinas – número também acima de 2018. As informações são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A nível estadual, São Paulo segue em primeiro lugar, concentrando 52,33% da produção total do país. O valor está ligeiramente acima do observado em 2018, graças a um aumento no volume.

Dentre os grupos, a Raízen Energia – que também controla o maior número de unidades – segue ocupando a primeira colocação, tendo produzido 2,5 TWh, valor que ficou 1,04% acima do registrado no ano anterior. Já entre as usinas, a CerradinhoBio, do grupo Cerradinho, e a Adecoagro, do grupo de mesmo nome, se mantiveram na primeira e na segunda posições, respectivamente.

Confira, na versão completa, mais detalhes sobre a produção de energia por meio do bagaço da cana-de-açúcar nos estados e no acumulado dos grupos sucroenergéticos, além do ranking das 100 usinas que mais cogeraram em 2019.


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail