Cogeração de energia

Brasil terá leilão inédito para enxugar fila de projetos de energia renovável, diz governo


Reuters - 20 out 2022 - 07:54

O governo brasileiro está se preparando para lançar nas próximas semanas as bases de um novo leilão do setor elétrico, que ajudará a filtrar o enorme estoque de projetos de geração de energia renovável que se formou no último ano, após empreendedores correrem contra o tempo para garantir descontos em tarifas de distribuição e transmissão.

A licitação em novo formato, que deverá ocorrer em 2023, prevê colocar geradores para competir pela conexão de suas usinas ao sistema de transmissão de energia elétrica, disse o Ministério de Minas e Energia (MME) à Reuters.

A ideia é selecionar os projetos que efetivamente serão construídos entre os quase 200 gigawatts (GW) de potência que aguardam outorga. Esses empreendimentos, que “no papel” dobram a capacidade de geração do país, foram impulsionados pelos descontos tarifários que elevam a sua competitividade.

O ministério disse que trabalha na abertura de uma consulta pública sobre o assunto “nas próximas semanas”, com previsão de publicação de uma portaria para o final do ano.

“O tema tem sido tratado com prioridade no ministério. A elaboração da portaria visa estabelecer um critério de competição que proporcione maior eficácia e eficiência na alocação dos recursos de transmissão, cujo acesso tem se caracterizado como um recurso escasso”, disse a pasta, em nota.

Por isso, ele defende a importância do leilão, afirmando que ele trará mais clareza sobre a expansão futura do parque gerador à agência reguladora, ao planejador do sistema elétrico e também aos próprios empreendedores.

A proposta do leilão começou a ser gestada em meio à corrida dos geradores após a lei 14.120, que levou a uma disparada dos pedidos de outorga – o prazo para que novos projetos tentassem garantir a extensão dos descontos nas tarifas de distribuição e transmissão (Tusd e Tust) terminou em março.

Porém o tema avançou pouco até agora, sem que a dinâmica e diretrizes para essa competição tenham sido definidas. Enquanto isso, geradores convivem com uma demora incomum na concessão de outorgas na Aneel, o que trava o desenvolvimento de novas usinas renováveis.

Com o mercado livre passando a comandar a expansão da geração de energia no Brasil nos últimos anos, tornou-se mais difícil para o governo prever o ritmo de crescimento da oferta e planejar a transmissão – por isso, a conexão das usinas ao sistema interligado passou a se tornar cada vez mais disputada.

Não há informações sobre quantos gigawatts de potência poderiam ser viabilizados a partir do leilão.

Visão dos geradores

A ideia de um novo leilão para organizar a fila de usinas renováveis é bem vista entre os geradores, que enfrentam um mercado cada vez mais competitivo para viabilizar seus empreendimentos.

A avaliação dos agentes é que os critérios atuais para as usinas acessarem a rede elétrica não são mais adequados. Hoje, a emissão de pareceres de acesso pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) segue uma ordem cronológica da data de solicitação – ou seja, quem chega primeiro tem preferência, de forma que projetos “de papel” podem estar à frente de outros que realmente poderiam ser construídos.

“Entendemos que é muito importante algum processo competitivo para diferenciar os projetos”, avaliou o diretor da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Carlos Dornellas. “O que nós temos dúvida é sobre a solução proposta. Defendemos algo mais simples, o leilão nos pareceu algo muito complexo”, acrescentou.

Uma opção, segundo ele, seria pedir que os projetos solares – que representam a grande maioria do estoque atual – aportassem garantia financeira, o que indicaria uma “firmeza” por parte do empreendedor na construção da usina.

Já a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Gannoum, vê com bons olhos a ideia do leilão, mas entende que o próprio mercado se encarregará de selecionar os bons projetos.

“A solução tende a acontecer naturalmente, mesmo que não se mude o mecanismo de margem de escoamento”, afirma. “A tendência é que essa bolha de projetos se dissipe à medida que a gente se distancie do desconto das tarifas Tusd e Tust. Aí vamos voltar para a normalidade, projetos pedindo outorga com preço cheio, num ritmo normal”.

Atraso nas outorgas

O “filtro” para os projetos também ajudaria a organizar o processo de concessão das outorgas por parte da Aneel, que vem se mostrando demorado neste ano, segundo a Omega Energia.

O diretor de inovação, produtos e regulatório da Omega, Bernardo Bezerra, afirmou à Reuters que a morosidade do lado do regulador tem sido um dificultador para novos projetos renováveis, mais até do que a alta dos preços dos equipamentos eólicos e solares.

Segundo ele, pedidos de outorga da empresa que foram realizados até março deste ano ainda não tiveram encaminhamento na Aneel. Tipicamente, o prazo para se obter outorga era de três a quatro meses.

Questionada, a Aneel disse que tem sido eficiente na instrução e emissão de outorgas, embora reconheça que houve um grande aumento dos pedidos em função da mudança regulatória.

Entre o final de 2021 e início deste ano, foram protocolados cerca de 4 mil pedidos de outorgas para novas usinas, quase o dobro das outorgas que já foram efetivamente emitidas nos últimos sete anos, disse a Aneel. Neste ano, até meados de outubro, a agência emitiu 989 outorgas.

Letícia Fucuchima


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x