Após a queda na moagem em 2018/19, a situação dos canaviais não mudou muito. O envelhecimento continua e o clima segue sendo determinante para o sucesso da produção. Ainda assim, há perspectivas mais positivas para a temporada atual

novaCana.com 25 abr 2019 - 12:03

Atualização (22/05, às 15h): O texto completo foi alterado para incluir as estimativas de Conab, Alvean e Unica. Também foram atualizadas as estimativas do Tempocampo e da INTL FCStone.

A chuva é importante, porém, não pode ser excessiva. É assim que funcionam os canaviais, pelo menos em relação a desenvolvimento e produtividade. E são esses aspectos que as empresas e consultorias têm observado com mais afinco nos últimos meses, em busca de previsões para a safra 2019/20, que começou oficialmente no início de abril.

O sistema Tempocampo, que desenvolveu um indicador para expressar o efeito das condições meteorológicas nas culturas agrícolas, demonstra, em relatório, que a estiagem neste início de temporada pode ser prejudicial. No norte do Paraná e em algumas regiões dos estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais, por exemplo, o armazenamento de água do solo não superou 45%, dificultando o bom desenvolvimento dos canaviais.

Por outro lado, “nas regiões sudeste de Mato Grosso e norte de Goiás, o armazenamento de água no solo manteve-se acima de 60%, indicando condições mais favoráveis para os canaviais da região”, afirma e completa: “O bom volume e a distribuição das chuvas em abril favoreceu o desenvolvimento da plantação, outrora penalizadas pelo veranico ocorrido entre o final de dezembro e a terceira semana de janeiro”.

Este cenário pode ser bom, já que está claro que a cana-de-açúcar precisa da chuva para crescer. Porém, o excesso de água intervém no nível de sacarose da planta e, consequentemente, no direcionamento do mix. No início de março, o diretor da Canaplan, Luiz de Carvalho, explicou que, quando chove mais, a planta converte sacarose em glucose e frutose. “[Esses açúcares] são mais conversíveis em etanol”, aponta.

Além disso, no começo da temporada, a chuva pode ser um empecilho maior por atrasar o crescimento do canavial, prejudicar a colheita e reduzir a produção. O mais recente relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicou que grandes usinas brasileiras atrasaram sua produção em pelo menos duas semanas, graças ao desenvolvimento tardio das plantações e ao alto estoque de etanol.

No mais recente levantamento do novaCana, 23 companhias indicaram um resultado para a moagem da safra atual. A média, de 573,19 milhões de toneladas, ficaria apenas 0,02% acima do resultado oficial de 2018/19 – 573,07 milhões.

Porém, enquanto a estimativa média da moagem sofreu apenas uma pequena variação na comparação com a safra passada, o mesmo não pode ser dito em relação ao mix de produção.

Confira, na versão completa, os comentários das maiores consultorias e empresas especializadas do setor e suas estimativas para:

- Moagem total
- Produção de açúcar e de etanol
- Etanol anidro x hidratado
- Mix de produção
- Qualidade da cana-de-açúcar (kg ATR/t)
- ATR total da safra

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

ou