Cana: Meio ambiente

Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste (SP) cobra explicações da Raízen por queimadas

Administração diz que a empresa não enviou resposta sobre os incêndios; Raízen alega ter dado explicações para a Defesa Civil da cidade


O Liberal - 26 jun 2020 - 14:30 - Última atualização em: 02 jul 2020 - 08:30

As recentes queimadas ocorridas em áreas da Raízen fizeram com que a Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste cobrasse esclarecimentos e medidas da empresa para que os incêndios cessassem.

A prefeitura, porém, enviou comunicado para a imprensa alegando que o ofício não foi respondido pela empresa. “Lamentavelmente até a presente data nenhuma resposta foi enviada e nenhuma medida de contenção tomada”, alegou a assessoria de imprensa do governo municipal.

Em resposta, a Raízen informou ao jornal O Liberal que enviou os esclarecimentos sobre as medidas adotadas para a Defesa Civil de Santa Bárbara d’Oeste e que dedica esforços e recursos para minimizar os impactos ambientais de suas atividades.

O prefeito Denis Andia (PV) notificou Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), Polícia Militar Ambiental, Grupo de Atuação Especial em Meio Ambiente do Ministério Público Estadual (Gaema), a promotoria local do MP, o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil sobre as queimadas.

“O Município de Santa Bárbara d’Oeste não tem medido esforços para tentar coibir tais ações. Entretanto, ressalta que o Grupo Raízen é o responsável pela área produtiva. Destaca-se ainda que a fiscalização e autuação de multas relacionadas a esse tipo de crime ambiental são de responsabilidade da Polícia Ambiental Estadual e da CETESB”, informou ainda a administração.

No último sábado, um incêndio de grandes proporções foi registrado em uma área de plantio de cana-de-açúcar da Raízen. Um vídeo circulou nas redes sociais mostrando um funcionário da empresa ateando fogo na área e levantou discussões sobre a autoria do incêndio.

Ao Liberal, a empresa explicou que as chamas já tomavam conta do canavial e o que o funcionário estava aplicando uma técnica de combate ao incêndio que se chama “Fogo Contra Fogo”.

Nesta quarta-feira (24), porém, houve um novo incêndio no canavial da empresa no cruzamento entre as rodovias dos Bandeirantes (SP-348) e Luiz de Queiroz (SP-304). A fumaça era vista a quilômetros de distância.

Em nota, a Raízen afirma que tem “firme compromisso” com a sustentabilidade de suas operações e, com isto, dedica recursos e esforços no sentido de adotar melhores práticas visando a minimização de impactos ambientais de suas atividades.

“Ciente de seu compromisso em cumprir protocolos e agir no combate de incêndios, vem intensificando suas ações para tais eventos, dentre as medidas adotadas destaca-se a implementação de Programa de Prevenção à Incêndio (PPI), por meio do qual se dá o planejamento, monitoramento e execução das ações, além da intensificação das medidas de prevenção e combate ao fogo, com a indicação das equipes de brigada, disponibilização de equipamentos e a adoção de programas de mútuo auxilio”, afirma a empresa.

Além disso, a Raízen afirma que realiza campanhas de conscientização junto à população e que essas iniciativas foram informadas à Defesa Civil do Município de Santa Bárbara do Oeste. “Reforçamos ainda que a empresa não faz uso de fogo no manejo agrícola de suas áreas de cultivo de cana-de-açúcar e, neste sentido, segue aderente ao Protocolo Etanol mais Verde do Estado de São Paulo”, completa.

A Raízen ainda ressalta que, em períodos de seca e grande estiagem, intensifica o monitoramento de seus canaviais para prevenir e combater eventuais incêndios de origem desconhecida ou acidental, como os provenientes de fogueiras e outras fontes – como cigarros, por exemplo – em áreas de grande circulação, principalmente próximas a cidades e rodovias.

Leonardo Oliveira