Açúcar: Mercado

Mercado futuro de açúcar sobe em meio a expectativas de demanda chinesa adicional


S&P Global Platts - 28 jul 2020 - 09:26 - Última atualização em: 31 jul 2020 - 11:53

Por Nicolle Monteiro de Castro*

O mercado futuro de açúcar na ICE, em Nova York, viu o contrato outubro subir nesta segunda-feira, atingindo 12,12 centavos de dólar por libra-peso. O valor representa uma alta de 6,04% no dia e é a maior liquidação desde 7 de julho, quando o contrato futuro fechou em 12,18 centavos de dólar por libra-peso.

Os participantes do mercado atribuíram o aumento de preços a uma cota adicional de importação de 2,1 milhões de toneladas a ser liberada pelo governo chinês.

Além da nova demanda no mercado internacional, fontes consultadas pela Platts também consideraram as últimas notícias sobre uma queda na moagem de cana tailandesa, que deve ficar em torno de 70 milhões de toneladas, e uma cota de importação para a Indonésia no último trimestre de 2020.

Outro fundamento altista foi o recente movimento de crescimento no prêmio de açúcar branco, que passou de US$ 88,58/t em 16 de julho para US$ 98/t em 27 de julho. A expectativa é que este prêmio mais alto aumente a demanda de açúcar bruto das refinarias.

Além disso, o cenário econômico também deu suporte para os contratos de açúcar bruto no mercado global, que são precificados em dólar e agora têm o Brasil como o principal fornecedor.

O Brasil será o maior produtor de açúcar da safra global 2019/20, que começou em outubro do ano passado e termina em setembro. Portanto, qualquer volatilidade na moeda local em relação ao dólar tem um grande impacto no preço internacional.

De 1º a 27 de julho, o valor do real brasileiro variou 3,14%, indo de R$ 5,3334/US$ para R$ 5,1666/US$. Enquanto isso, o contrato futuro de açúcar na ICE caiu 0,41%.

No mercado à vista brasileiro, os prêmios permaneceram inalterados em 27 de julho, apesar da recuperação nos contratos de futuros.

A S&P Global Platts avaliou o açúcar VHP para agosto, considerado FOB Santos, com um desconto de 17 pontos em relação ao contrato futuro de outubro. No mesmo período de 2019, este desconto era de 32 pontos.

* Nicolle Monteiro de Castro é especialista sênior de preços da S&P Global Platts

Com tradução novaCana.com