Milho

Valorização do milho altera limite de alta na B3 nesta terça-feira

Preço também sobe em Chicago, com analistas de olho no clima


Notícias Agrícolas - 30 jun 2021 - 07:31

A terça-feira, 29, viu os preços do milho subirem no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas foram percebidas desvalorizações apenas nas praças do oeste da Bahia e em Brasília (DF).

Já as valorizações apareceram em Ponta Grossa (PR), Ubiratã (PR), Londrina (PR), Cascavel (PR), Marechal Cândido Rondon (PR), Jataí (GO), Rio Verde (GO), São Gabriel do Oeste (MS), Eldorado (MS), Amambai (MS) e Cândido Mota (SP).

De acordo com o reporte diário da Radar investimentos, “a chegada de uma frente fria rigorosa, com geadas no Paraná, trouxe cautela no mercado físico brasileiro de milho. O fato de o dólar ter mostrado sustentação também segurou os preços no mercado físico”.

A análise da Agrifatto Consultoria acrescenta que, “no mercado físico, o milho começa a semana com o preço estável nas principais praças do país; em Campinas (SP), o cereal está sendo avaliado na casa dos R$ 86 a saca. Enquanto aguardam preços mais atrativos, os vendedores seguram a produção baseados no andamento da colheita e na confirmação da redução da produtividade”.

A consultoria Safras & Mercado destaca que o mercado brasileiro de milho opera em ritmo lento nos negócios, avaliando o efeito do frio e das geadas nas lavouras de safrinha: “O mercado brasileiro abriu a semana bastante focado nas geadas previstas, com potencial para resultar em problemas em relevantes regiões produtoras, a exemplo do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e até mesmo no sul de Minas Gerais”.

O último levantamento da Safras & Mercado afirma que a colheita da safrinha 2021 de milho atingia 1,6% da área estimada de 14,4 milhões de hectares até a sexta-feira, 25. Os trabalhos atingem 0,2% no Paraná, 1% em Mato Grosso do Sul, 0,5% em Goiás e 3,2% em Mato Grosso. No mesmo período do ano passado, a colheita atingia 11,6% da área estimada de 13,27 milhões de hectares. A média de colheita dos últimos cinco anos para o período é de 10,7%.

B3

Os preços futuros do milho tiveram um dia de grande elevação e atingiram altas na bolsa brasileira B3. As principais cotações registraram movimentações positivas entre 5% e 7% ao final da terça-feira.

O vencimento em julho de 2021 foi cotado à R$ 91,52 com valorização de 5%; o setembro de 2021 valeu R$ 92,83 com ganho de 5%; o novembro de 2021 foi negociado por R$ 95,95 com alta de 7%; e o janeiro de 2022 teve valor de R$ 99,32 com elevação de 7%.

As elevações foram tão fortes que a bolsa brasileira precisou reformular seu limite de altas, passando de 5% para 7%, excepcionalmente para as movimentações desta terça-feira, 29, a partir das 16h15.

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, as cotações da B3 em alta são reflexo das geadas que trouxeram impactos irreversíveis nas lavouras em fase de alto risco, ainda com grãos moles.

“As lavouras de milho que sofreram com a geada eram as melhores do Paraná. Ainda vai haver mais perdas no estado, assim como na parte sul do Mato Groso do Sul e em alguns pontos da divisa de Paraná e São Paulo. É menos milho e isso reflete na cotação”, afirma.

Brandalizze destaca ainda que, além de menos milho, as geadas tiram qualidade do milho colhido, quebrando e ardendo os grãos, diminuindo a quantidade que pode ser exportada.

Mercado externo

A bolsa de Chicago (CBOT) também subiu para os preços internacionais do milho futuro nesta terça-feira. As principais cotações registraram movimentações positivas entre 0,75 e 19 pontos ao final do dia.

O vencimento em julho de 2021 foi cotado à US$ 6,94 com valorização de 19 pontos; o setembro de 2021 valeu US$ 5,59 com alta de 1 ponto; o dezembro de 2021 foi negociado por US$ 5,48 com ganho de 1,25 ponto; e o março de 2022 teve valor de US$ 5,55 com elevação de 0,75 ponto.

Esses índices representaram altas ante o fechamento da última segunda-feira, de 2,81% para o julho de 2021, de 0,18% para o setembro de 2021, de 0,18% para o dezembro de 2021 e de 0,18% para o março de 2022.

Segundo informações da agência Reuters, os futuros de grãos da CBOT subiram na terça-feira, com os traders ajustando as posições antes de um relatório dos Estados Unidos sobre o plantio da safra e continuando a se preocupar com os riscos de clima desfavorável.

Os analistas, em média, esperam que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) aumente sua estimativa para o plantio de milho em cerca de 3% a partir de março, de acordo com uma pesquisa da Reuters. Ainda assim, alguns traders continuam nervosos sobre o potencial do clima quente e seco, que pode prejudicar os rendimentos quando os estoques da safra estão baixos.

“O problema é que há pouca chuva prevista para as áreas secas e muita chuva para as áreas que já estão muito úmidas. Todos esses problemas climáticos são preocupantes, uma vez que os EUA precisam ver uma produtividade de milho quase recorde”, disse o analista da Summit Commodity Brokerage, Tomm Pfitzenmaier.

Guilherme Dorigatti Borges


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x