PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Milho

Clima seco da Argentina pode se estender até março, causando riscos para safra de milho


Reuters - 13 jan 2022 - 08:34

As condições de seca que afetam as lavouras na principal região agrícola da Argentina desde meados de dezembro podem se estender até meados de março, causando perdas “significativas” para milho e soja em 2021/22, informou a Bolsa de Grãos de Buenos Aires nesta quarta-feira.

Depois de receber chuvas no segundo semestre de 2021, o país sul-americano agora está sentindo os efeitos do fenômeno climático La Niña, à medida que as chuvas diminuem nas principais áreas agrícolas.

Os resultados da produção de milho e soja “dependerão em grande parte do retorno oportuno das chuvas em fevereiro”, disse a bolsa de grãos em um relatório mensal.

A bolsa alertou, no entanto, que como o país enfrenta um “episódio duplo” de La Niña – quando o fenômeno ocorre por duas temporadas consecutivas. Assim, o retorno das chuvas pode ser adiado até meados de março, causando perdas significativas de produtividade.

A bolsa estimou a safra de milho da Argentina em um recorde de 57 milhões de toneladas e a de soja em 44 milhões de toneladas e não fez nenhum corte em suas previsões até agora, mas disse na semana passada que pode ter que revisá-las devido ao mau tempo.

A bolsa de Rosário relatou na semana passada um distúrbio na produção de milho devido às condições quentes e secas. O clima desfavorável também dificulta o plantio dos últimos lotes de soja, o que pode levar a uma queda na área projetada.

“Nós estamos enfrentando um cenário climático geograficamente muito contrastante, muito irregular em seu curso de tempo, que coloca desafios à produção, tanto por déficits ou excessos de água (no noroeste da Argentina), quanto por temperaturas extremas”, disse a Bolsa de Grãos de Buenos Aires.

Maximilian Heath e Carolina Pulice


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE


x