Usinas

Suspeita de corrupção empaca processo de falência da Laginha


Jornal Extra (AL) - 25 set 2020 - 12:25

A destituição do administrador judicial da Laginha, José Luiz Lindoso, foi vista por parte dos credores como um tiro no pé. Porém, a administração de Lindoso é cercada de mistérios. A paralisação dos trabalhos da massa falimentar por cerca de 60 dias é um deles.

O caso foi parar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em ação contra o desembargador Klever Loureiro, que ordenou o afastamento do advogado. A dívida do grupo João Lyra é bilionária e está dominada por um jogo de interesses.

O tumultuado processo de falência do Grupo João Lira já dura 8 anos e até agora a maioria dos credores – trabalhadores rurais, operários, fornecedores, plantadores de cana e bancos – não viu a cor do dinheiro. Sem falar nas dívidas tributária e previdenciária.

Ao longo desse tempo foram substituídos vários juízes e administradores judiciais sob alegações que vão da omissão à falta de probidade na gestão da bilionária massa falida.

De um lado estão os credores, do outro os administradores judiciais e vários advogados. No meio estão os herdeiros, que desconfiam da existência de um esquema criminoso para dilapidar o que resta do patrimônio familiar.

A recente mudança na administração judicial pode culminar com a troca de todos os atuais juízes responsáveis pelo processo, que já acumula mais de 120 mil páginas. O mais grave é que não é só a família de João Lyra que suspeita de um esquema de corrupção montado em cima da massa falida, mas também membros do próprio Poder Judiciário.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail