PUBLICIDADE
ARMAC
Usinas

Leilões das usinas Vale do Paranaíba e Triálcool estão agendados para 24 de novembro

Os prefeitos da região do Pontal do Triângulo comemoraram a decisão da Justiça de Alagoas, que era vista com descrédito pelos mineiros


Tudo em Dia (MG) - 25 out 2017 - 08:37 - Última atualização em: 05 jul 2018 - 10:46

Os editais dos leilões das usinas sucroalcooleiras Vale do Paranaíba e Triálcool, instaladas nos municípios de Capinópolis e Canápolis, respectivamente, foram publicados pela Vara do 1º Ofício de Coruripe (AL) na tarde da última segunda-feira (23). As usinas de Minas Gerais integram a Massa Falida da Laginha Agroindustrial S/A.

Os juízes de Direito Leandro de Castro Folly, Phillippe Melo Alcântara Falcão e José Eduardo Nobre Carlos estão à frente do processo de falência e rejeitaram – na última segunda-feira (23) – a proposta da Usina Cambuí para comprar a Vale do Paranaíba por R$ 80 milhões.

A Vale do Paranaíba e outros ativos da empresa estão avaliados em R$ 206,358 milhões. Este valor inclui 17 imóveis rurais e equipamento industriais. Já a Triálcool está avaliada em R$ 223,043 milhões, valor inclui 24 propriedades rurais e equipamentos industriais. Em ambos os casos, a frota de veículos e maquinários também não estão inclusas.

As usinas serão leiloadas no dia 24 de novembro de 2017, a partir das 14h, no estado de conservação no qual se encontram. Os lances poderão ser efetuados ao vivo no auditório da Superbid ou pelo portal de leilões da empresa até o dia 30 de novembro de 2017. Além disso, os interessados que quiserem visitar as unidades sucroalcooleiras antes dos lances, poderão agendar a visita.

O valor mínimo para a venda será o valor de avaliação judicial dos ativos (bens) e caso o valor não seja alcançado, o leilão se estenderá até às 14h do dia 07 de dezembro de 2017.

Alívio para prefeitos e trabalhadores

A publicação dos editais deixou os prefeitos da região do Pontal do Triângulo Mineiro animados. O prefeito de Capinópolis, Cleidimar Zanotto, acredita no desfecho da situação das usinas. “Sempre acreditamos em um desfecho positivo da situação deste grupo e caso os leilões das usinas venham a se concretizar, podemos viver uma nova realidade na região do Pontal do Triângulo Mineiro, com mais prosperidade e geração de postos de trabalho diretos e indiretos”, disse o prefeito.

Segundo o prefeito de Canápolis, Uallisson Carvalho Silva – que foi colaborador da usina Triálcool por 12 anos – a venda da usina irá alavancar a economia de Canápolis e de toda a região. “Diante daquele descrédito que todos estavam com relação à Justiça de Alagoas, agora com essa situação do leilão, cria mais credibilidade. Estou bem esperançoso que essa história irá terminar agora”, disse o prefeito ao Tudo Em Dia. Ele ainda continua: “Com a venda da usina, muda 70% para melhor o quadro da situação do nosso município. Com o fechamento [da usina Triálcoo], o município caiu em uma grande crise financeira, com falta de emprego, comércio fechando, aumento da demanda dentro do social. A fé é o que nos move e também a esperança em dias melhores, não só para Canápolis, mas para Capinópolis, Ituiutaba, Ipiaçu e Cachoeira Dourada”.

Milhares de trabalhadores de toda a região aguardam ansiosos a venda das usinas sucroalcooleiras instaladas no Pontal do Triângulo Mineiro na esperança de receber os direitos trabalhistas. Muitos impetraram ações judiciais para receber os valores.

O passivo trabalhista da Laginha Agroindustrial ultrapassa R$ 180 milhões e o total da dívida supera R$ 2 bilhões.


PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x