PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Usinas

Copersucar emite mais de 8 milhões de CBios em 2021


Copersucar - 20 dez 2021 - 12:57

No início do mês de dezembro, as 34 usinas sócias da Copersucar ultrapassaram a marca de 8 milhões de créditos de descarbonização (CBios) emitidos no Programa RenovaBio, conforme a própria entidade. Como cada crédito corresponde a uma tonelada de gases do efeito estufa (GEE) que deixou de ser lançada na atmosfera, a empresa evitou o lançamento de mais de 8 milhões de toneladas de carbono

“Este resultado ilustra o nosso compromisso de longo prazo com a sustentabilidade e comprova a eficiência na gestão dos indicadores ambientais de produção e logística de cada uma de nossas 34 usinas”, ressalta o gerente de sustentabilidade da Copersucar, Bruno Alves Pereira.

Desde o início do programa, em 2020, oito usinas sócias da Copersucar já passaram pela recertificação, conseguindo a evolução de até 80% em suas notas de eficiência energético-ambientais (NEEA). “Esta melhoria é fruto de um controle mais detalhado do ciclo de vida do produto o que acaba, consequentemente, ampliando a quantidade de CBios gerada por litro de etanol comercializado”, declara a Copersucar.

Na safra 2020/2021, a cooperativa apresentou faturamento líquido recorde de R$ 38,7 milhões e triplicou seu lucro líquido para R$ 375 milhões, comercializou mais de 11,1 bilhões de litros de etanol e 5,4 milhões de toneladas de açúcar.

Expectativas para o RenovaBio em 2022

Instituída pela Política Nacional de Biocombustíveis, a Copersucar relembra que a quantidade de créditos que as distribuidoras terão que adquirir em 2022 já foi determinada pelo governo: serão 35,98 milhões de toneladas de CBios.

“Este volume deve ser atingindo sem grandes problemas, principalmente, se considerarmos os créditos excedentes gerados neste ano. Os CBios que não forem comprados até 31 de dezembro, podem ser utilizados no ciclo posterior, uma vez que eles só saem de circulação quando forem aposentados pelos compradores”, comenta Pereira.

O programa foi criado para estimular a presença de biocombustíveis na matriz energética brasileira, reduzindo as emissões de gases causadores do efeito estufa do setor de transportes, sendo também um grande aliado na descarbonização da mobilidade urbana, conforme destaca a cooperativa. Na prática, todo distribuidor de combustível fóssil é obrigado a adquirir CBios de unidades produtoras de biocombustíveis certificadas.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE


x