Pesquisas

Indústrias químicas investem em "novo plástico"


Folha de S. Paulo - 28 jan 2013 - 08:27 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

Embalagens inteligentes, automóveis econômicos e equipamentos eólicos mais eficientes. Tudo de plástico. A indústria química investe para desenvolver novos materiais e aumentar a presença do produto no cotidiano.

Na Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas, as invenções enfrentam fila de espera de um ano para serem testadas nas fábricas-piloto.

Há 200 projetos na carteira, desde os que os cientistas chamam de "rupturas" --produtos ou procedimentos inéditos-- até tecnologias complementares às existentes.

Como cada dia de teste custa R$ 20 mil, os produtos que entram na fila passam por uma boa triagem. Portanto, o número de candidatos a invenções é ainda maior.

"Queremos manter a média de 20 novos produtos por ano. É importante porque fideliza o cliente", afirma Patrick Teyssonneyre, diretor de inovação para as áreas de negócios da Braskem.

A chamada química verde, que usa fontes renováveis na produção, é o principal foco da companhia. Em 2010, ela inaugurou em Triunfo (RS) a primeira fábrica de polietileno verde do mundo, substituindo o petróleo pelo etanol de cana como matéria-prima.

RENOVÁVEL
Desde então, dedicou-se ao desenvolvimento de outro tipo de plástico, o polipropileno, com fonte renovável. A primeira unidade deve ser inaugurada neste ano, com capacidade inicial para 30 mil a 50 mil toneladas/ano.

A química verde é apenas uma parte da química sustentável, que tem um conceito mais amplo. Hoje, a maioria dos plásticos é feita a partir do petróleo e não é reciclável. A indústria quer mudar isso.

A alemã Basf, por exemplo, desenvolveu um plástico biodegradável, obtido a partir de amido de milho, que se transforma em adubo orgânico após passar por uma usina de compostagem.

"A inovação vem não só da matéria-prima mas também da destinação final que se dá ao produto", diz Karina Daruich, gerente de plásticos biodegradáveis da Basf para a América do Sul.

PACOTE INTELIGENTE
Além da busca pela sustentabilidade, há uma corrida para apresentar soluções demandadas por alguns setores específicos. A indústria de alimentos é um deles.

O aumento da população mundial, que em 2050 chegará a 9 bilhões de pessoas, e a crescente necessidade de refrigeração e energia para conservar os alimentos exigirão embalagens que garantam maior vida útil aos produtos.

Além de conservar os alimentos por mais tempo, as embalagens avisarão o varejista ou o consumidor sobre o estado de conservação do produto ao mudar de cor.

Na área de energia, a indústria aposta na leveza do plástico.

Novas pás de turbinas eólicas, com até 180 metros de diâmetro, só serão viáveis se forem feitas de plástico, afirma o diretor de inovação para área corporativa da Braskem, Luis Cassinelli.

Se forem de metal, será impossível carregá-las.

Nos cabos de transmissão de energia, a tendência é que o metal, hoje utilizado para dar firmeza, seja substituído por fibras de carbono, mais leves e resistentes.

polimero-futuro-280113

TATIANA FREITAS


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail