Pesquisas

CTBE firma parceria de pesquisa com a Zilor

Projeto de pesquisa poderá dar respostas para reverter a perda de produtividade da cana-de-açúcar


CTBE - 24 abr 2018 - 07:26 - Última atualização em: 24 abr 2018 - 13:58
Tedson Azevedo, especialista de Parcerias e Agrícola (P&A); Denis A. Alves, diretor de P&A; José Marcos Lorenzetti, membro do conselho de aministração; Claudio Campanholi, gerente de P&A; Luiz Dalben, diretor-presidente da Ascana

Dirigentes da Zilor assinaram, na última semana, acordo de projeto de pesquisa de quatro anos com o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), pertencente ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). O acordo prevê um estudo de qualidade dos solos das unidades Barra Grande, em Lençóis Paulista (SP), e São José, em Macatuba (SP).

A equipe do CTBE, coordenada por João Luís Carvalho, irá analisar os indicadores químicos, físicos e biológicos do solo em áreas de cana-de-açúcar da Zilor com produtividades reais discrepantes do potencial produtivo baseado nos ambientes de produção. “O objetivo do projeto de cooperação é identificar os fatores que estão limitando a produtividade da cultura e atuar no sentido de eliminar estas travas do sistema e deixar o ambiente de produção mais responsivo”, explica Carvalho.

O projeto prevê a avaliação do histórico de uso da terra, práticas de manejo, análises de solos e das produtividades obtidas nas áreas pré-selecionadas. Serão realizadas, também, amostragem do solo, instalação de sensores para monitoramento da temperatura e umidade do solo e quantificação da produção de biomassa das áreas.

Segundo o CTBE, técnicas pouco convencionais – como avaliação enzimáticas do solo e análise visual da estrutura do solo (VESS) – serão utilizadas para avaliar potenciais limitações biológicas, físicas e estruturais ao crescimento adequado de cana-de-açúcar. Deverá ser realizado, ainda, uma análise integrada da qualidade do solo utilizando diferentes ferramentas, por meio do Sistema de Avaliação da Gestão do Solo (em inglês, Soil Management Assessment Framework), com o objetivo de correlacionar e explicar as discrepâncias de produtividade de áreas de cana-de-açúcar com capacidade produtiva semelhante.

A aposta do diretor de Parcerias e Agrícola da Zilor, Denis Arroyo Alves, é que o projeto de pesquisa com o CTBE dê repostas para reverter esse cenário. “A atuação do CTBE é o grande diferencial, que possuí profissionais capazes de ouvir as empresas e identificar o que realmente é importante”, destacou. “Trabalhamos muito forte a parte química do solo durante um tempo no setor, agora começamos a tratar o aspecto físico do solo, e acreditamos que falta uma ponta nesse triângulo, a microbiologia, que é um dos enfoques que estamos apostando com esse projeto”, explicou.

Zilor

A empresa gere três usinas de cana-de-açúcar e inicia em 2018 sua 72ª safra. Depois de encerrar a temporada 2016/17 com um lucro de R$ 167,38 milhões e 11,34 milhões de toneladas de cana-de-açúcar moídas, a previsão de moagem da companhia para a safra 2017/18 é de 11,2 milhões de toneladas de cana.

A empresa já é parceira do CTBE, por meio do Projeto Sucre, que tem como objetivo aumentar a geração de eletricidade a partir do aproveitamento da palha da cana-de-açúcar no setor sucroenergético. Os resultados preliminares das avaliações realizadas pelo Sucre em áreas da Usina Quatá, em Quatá (SP), influenciaram a decisão dos dirigentes em alterar a quantidade de recolhimento de palha para geração.