Investimento

Usina Coruripe investe R$ 70 mi na construção de terminal rodoferroviário em Minas Gerais

Terminal localizado em Iturama (MG) vai começar a operar em 2022 e terá capacidade de movimentação de cerca de 2 milhões de toneladas de açúcar VHP por ano para exportação via Porto de Santos (SP), em parceria com a Rumo


Usina Coruripe - 29 out 2020 - 11:49
Projeto de terminal rodoferroviário apresentado pela Coruripe

A Usina Coruripe realiza, hoje, o lançamento da pedra fundamental do futuro terminal rodoferroviário Comendador Rubem Montenegro Wanderley, na cidade de Iturama (MG). Com investimento direto da Coruripe de aproximadamente R$ 70 milhões, o projeto prevê a instalação de uma unidade de transbordo rodoferroviário interligada à Rumo Malha Central (Ferrovia Norte-Sul), que garantirá o transporte ferroviário.

Segundo a companhia, a localização é estratégica: a região tem uma grande produção de açúcar e logística dependente do modal rodoviário. A previsão é que sejam movimentados 2 milhões de toneladas de açúcar VHP por ano com destino ao Porto de Santos (SP).

O projeto do terminal será implementado e operado pela Usina Coruripe, sucroenergética com presença consolidada na região. A obra tem início previsto para janeiro de 2021 e a previsão de conclusão é o primeiro semestre de 2022.

Quando estiver operacional, o terminal vai gerar cerca de 300 empregos diretos e indiretos em vagas nas áreas de operação de tombador, armazenagem e expedição. Para a construção, é estimada a geração de 150 empregos diretos.

O presidente da Usina Coruripe, Mario Lorencatto, destaca que o novo terminal seguirá as melhores práticas de segurança e sustentabilidade. “Pretendemos contribuir com o desenvolvimento da produção regional de açúcar e trazer mais facilidades a clientes e consumidores, além de gerar novos postos de trabalho. Esse investimento demonstra a confiança da empresa no cenário socioeconômico da região”, afirma.

O terminal também atenderá outras usinas em um raio aproximado de 400 a 500 quilômetros, uma área de influência que abrange todo o Triângulo Mineiro e as usinas do sul de Goiás.

Localizado no quilômetro 15 da Rodovia BR-497, na zona rural de Iturama, o terminal terá alta velocidade de recepção e carregamento, com uma pera ferroviária (área em formato circular para manobra de trens) que deve agilizar as operações. Ele ocupará uma área total estimada em 20 hectares e será equipado com dois tombadores, um armazém de 40 mil toneladas de capacidade estática e uma tulha de carregamento de vagões de 1.500 toneladas por hora.

Na parte de recepção rodoviária, a previsão é de uma capacidade para quase 300 caminhões por dia. Considerando cada caminhão carregado com 35 toneladas, o terminal poderá receber 10 mil toneladas por dia.

O nome do terminal é uma homenagem ao comendador Rubem Montenegro Wanderley, que foi, na história da Usina Coruripe, “um exemplo dignificante de vida, de abnegação ao trabalho construtivo e amor ao próximo”, conforme explica Lorencatto.

“Essa obra será um marco na expansão da Ferrovia Norte-Sul em Minas Gerais e um reconhecimento ao Comendador Rubem pelos inestimáveis serviços prestados ao grupo Coruripe no processo de desenvolvimento da empresa”, ressalta.

Com quatro unidades em Minas Gerais (em Iturama, Campo Florido, Carneirinho e Limeira do Oeste), uma em Alagoas (Coruripe) e um terminal ferroviário próprio em Fernandópolis (SP), a Usina Coruripe possui capacidade de moagem de 15 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. A companhia produz, anualmente, mais de 1 milhão de toneladas de açúcar, cerca de 500 milhões de litros de etanol, além de comercializar energia renovável produzida a partir da queima de biomassa.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail