Investimento

Após refinaria, Mubadala mira etanol e prevê mais três unidades de negócios


O Estado de S. Paulo - 28 set 2022 - 08:34

A compra da Refinaria de Mataripe, ex-Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, foi apenas a porta de entrada do fundo de investimento em participações (private equity) Mubadala Capital no setor de energia no Brasil.

O grupo árabe elegeu o país como uma das suas prioridades no mundo e pretende avançar em segmentos como etanol e outros biocombustíveis (diesel renovável, bioquerosene de aviação, hidrogênio), além da produção de energia eólica e solar.

De acordo com o presidente da Acelen, Luiz de Mendonça, o braço do fundo árabe no país deverá ter pelo menos duas ou três novas unidades de negócios. “A tese do Mubadala é que o Brasil é um tremendo centro criador de valor para todo tipo de energia”, afirmou.

Criado para gerir investimentos, o Mubadala Capital é controlado pelo fundo soberano de Abu Dhabi e conta também com outros grandes investidores. Esta semana, fez a melhor oferta pela joint venture brasileira de etanol BP Bunge Bioenergia, terceira maior processadora de cana-de-açúcar do mundo. Se a compra for bem-sucedida, marcará a entrada da Acelen no novo segmento.

Dona da primeira refinaria privatizada de grande porte no Brasil, a Acelen pode avançar novamente na área de combustíveis fósseis. Segundo Mendonça, a empresa olha as outras refinarias colocadas à venda pela Petrobras. Com prioridade no mercado interno, a refinaria exporta produtos como bunker (combustível de navio) para Singapura.

Denise Luna


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x