PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Financeiro

Zilor tem lucro líquido de R$ 282,1 milhões no terceiro trimestre da safra 2021/22

No acumulado da temporada, resultado chega a R$ 657,7 milhões; moagem somou 9,86 milhões de toneladas de cana-de-açúcar


Zilor - 03 mar 2022 - 08:40
imae intro
Usina Barra Grande, localizada em Lençóis Paulista (SP); região teve colheita acelerada no terceiro trimestre de 2021/22

A Zilor Energia e Alimentos apresentou nesta segunda-feira, 28, os seus resultados financeiros referentes aos nove meses acumulados do ciclo 2021/22. De acordo com a companhia, o lucro líquido do período foi de R$ 657,7 milhões, montante 58% superior ao lucro líquido de R$ 416,3 milhões registrados nos nove meses da safra 2020/21.

Especificamente no terceiro trimestre da safra, o lucro líquido foi de R$ 282,1 milhões, aumento de 87,7% na comparação anual. De acordo com a empresa, os números refletem um melhor desempenho das operações, com rígida gestão de custos e despesas e disciplina na alocação de recursos.

O Ebitda ajustado foi de R$ 953,5 milhões no acumulado dos nove meses da safra 2021/22, 39% superior ao registrado no mesmo período da safra anterior, com margem de 38,4% versus 36,5% nos nove meses do ciclo passado.

A Zilor apresentou ainda desalavancagem, saindo do indicador dívida líquida por Ebitda ajustado de 2,2 vezes em dezembro de 2020 para 1,4 vez em dezembro de 2021, redução de 0,8 vez nos últimos 12 meses. A dívida líquida em 31 de dezembro de 2021 era de R$ 1,4 bilhões, redução de 14,2% frente aos R$ 1,64 milhões observados em 31 de dezembro de 2020.

O diretor-presidente da Zilor, Fabiano Zillo, apontou o compromisso da companhia com eficiência e investimentos em tecnologia como elementos fundamentais. “Apesar do cenário desafiador e dos fatores climáticos que afetaram a Zilor, assim como outras usinas das regiões onde atuamos, conseguimos atravessar a safra 2021/22 de maneira positiva: mantivemos os níveis de produtividade”, ressaltou.

Segundo o diretor financeiro Marcos Arruda, os resultados apontam que a Zilor se encontra na direção certa. “Avançamos muito em governança e gestão das finanças da companhia, ampliamos investimentos em lavoura e estrutura operacional, que contribuem para o melhor desempenho de produção e financeiro”, destaca.

Resultados no campo

A moagem de cana da Zilor nos nove meses acumulados da temporada 2021/22 atingiu 9,86 milhões de toneladas, volume 1,6% inferior ao mesmo período da safra anterior. A companhia afirmou que o resultado foi impactado pela redução de 3,3% da moagem de terceiros, mas foi compensado parcialmente pelo incremento de 3% na de cana própria.

De acordo com a sucroenergética, a região de Lençóis Paulista (SP) manteve a moagem dos nove meses do ciclo em linha com os nove meses da temporada passada, com incremento de 0,4%, devido ao aumento de produção na cana de fim de safra, associado a mais dias de moagem na região.

Já em Quatá (SP), área com predominante moagem própria, a moagem foi 6,6% inferior ao mesmo período da safra anterior, com maior impacto de geadas, menor número de dias de moagem na região, combinado com a severa estiagem ocorrida ao longo do período e menor disponibilidade de cana de terceiros, segundo a empresa.

A produtividade total no período foi de 72,4 toneladas por hectare, uma redução de 0,5%, e concentração de açúcar total recuperável (ATR) de 142,4 quilos por tonelada, incremento de 1,3%, quando comparados com o mesmo período da safra anterior, de acordo com a Zilor.

“Um olhar mais atento a partir do recorte de São Paulo, comparando o desempenho das usinas do estado, mostra a importância de investimentos maiores e da evolução no pacote tecnológico do ativo biológico”, destacou o grupo.

Conforme a Zilor, nas duas unidades do grupo na região de Lençóis Paulista houve redução na produtividade, com queda de 0,9% na produtividade do canavial versus uma quebra de 11% na região, segundo dados do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), publicados em novembro do ano passado. Já em Quatá houve uma evolução de 0,4% na produtividade, contra uma redução de 8,9% das usinas da região, e a concentração de ATR foi 2,8% superior ao mesmo período da safra passada, ante incremento de 0,1% nas usinas da região.

“Os dados mostram que, mesmo com a redução na moagem, a Zilor conseguiu manter a sua produtividade diante de um cenário de grandes impactos climáticos”, complementa a sucroenergética.

Receita e vendas

No acumulado da safra, a Zilor registrou faturamento de R$ 2,49 bilhões, 32,2% superior ao mesmo período do ciclo anterior, suportado pelas receitas de açúcar e etanol que contribuíram para o melhor resultado financeiro.

Conforme o grupo, a receita de açúcar registrou aumento de 22,8% em relação à temporada passada, atingindo R$ 720,1 milhões, impactada por maiores preços, mesmo com redução de 5,8% no volume de vendas.

Os ganhos com etanol, por sua vez, totalizaram R$ 1,13 bilhão, montante 83,5% superior ao mesmo período da safra anterior. Embora tenha registrado redução de 2,1% no volume de vendas, isso foi compensado pelo aumento de 87,4% no preço quando comparado aos nove meses do ciclo anterior. O valor do etanol foi fortemente impactado pelo aumento da demanda do petróleo e retomada da economia no período, segundo a empresa.

Outras áreas de negócios também contribuíram para o resultado financeiro positivo. A receita líquida de energia elétrica do período foi 7,7% superior ao mesmo período da safra passada, atingindo R$ 101,8 milhões. A Zilor afirmou que houve redução no volume de exportação de energia, compensado por maiores preços médios, em razão do cenário de crise hídrica no país.

Além disso, a sucroenergética comercializou 417 mil Créditos de Descarbonização (CBios), que somaram receita líquida de R$ 13,6 milhões.

A receita da Biorigin, unidade de negócio da Zilor que produz ingredientes naturais para nutrição humana e animal, apresentou receita líquida de R$ 521,4 milhões nos nove meses acumulados da safra 2021/22 inferior em 8,8% ao mesmo período do ciclo anterior.

De acordo com a sucroenergética, a Biorigin exporta cerca de 90% da sua produção e foi impactada por menor volume de vendas devido à escassez de logística marítima e aérea para realização de entregas de exportação.

A empresa ainda reforçou que os resultados foram obtidos em um cenário desafiador em que fatores climáticos, como estiagem e geadas, impactaram a safra da cana-de-açúcar na região Centro-Sul do Brasil.

“Mesmo com os desafios enfrentados, a Zilor se manteve resiliente e focada para entrega de melhores resultados. Maiores investimentos na lavoura para ganho de produtividade foram realizados, bem como aquisições de equipamentos para modernização do parque industrial, que resultaram em eficiência dos processos e fez com que a Zilor mantivesse a produtividade no mesmo patamar da safra anterior, aumentando ainda a produção, entregando maior quantidade de produtos no final da esteira”, destacou a empresa em release divulgado à imprensa.

Com edição NovaCana


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x