Financeiro

Santander tem envolvimento com 77% dos CBios escriturados e 84% dos vendidos

Informações vindas do próprio banco e da B3 indicam uma liderança da instituição no mercado dos créditos


novaCana.com - 27 out 2020 - 13:21

O processo de escrituração de CBios, parte inerente ao RenovaBio, tem o Santander como principal agente de atuação. Segundo números apresentados pelo banco, a instituição possui 77% do market share dos créditos escriturados do programa até o momento, além de 84% do volume negociado em mercado ter sido por meio da sua corretora.

Os dados foram divulgados pela superintendente executiva de agronegócios do Santander, Caroline Perestrelo, durante a manhã de ontem, 26, na 20ª Conferência Internacional Datagro, e se referem a dados do próprio banco e da B3.

Segundo Perestrelo, 11,6 milhões de créditos escriturados estão no mercado, sendo que 2,15 milhões deles foram disponibilizados entre 1º e 22 de outubro. Especificamente, as escriturações feitas pelo Santander corresponderam a 1,87 milhões de créditos no mesmo período, alcançando 9,2 milhões do total.

“Um questionamento era se teríamos CBios para cumprimento da meta e vimos que sim”, diz Perestrelo, que destaca que o mercado foi crescente em escrituração a partir de julho. Desde então, ele se manteve constante, com novas escriturações e ofertas diárias.

Vale destacar, porém, que nem todo o volume foi vendido ou aposentado e, portanto, ainda não conta no cumprimento da meta. Em 15 de outubro, as distribuidoras detinham 4,75 milhões de créditos, volume suficiente para atender a 32,7% da meta do programa para 2020, de 14,53 milhões de CBios. Além disso, conforme a B3, apenas 128,89 mil créditos já foram aposentados, o equivalente a 0,9% da meta.

Conforme a superintendente, nas estimativas do banco, 7,5 milhões de CBios já foram negociados, com 3,94 milhões deles somente entre 1º e 22 de outubro. Os valores também foram estimados pelo banco, tendo a B3 como fonte.

De acordo com ela, o volume de negociação se tornou crescente a partir de setembro, após a definição a respeito da meta e do arcabouço tributário. “O Miguel Ivan [Lacerda, ex-diretor do MME] colocou que ainda existem muitos desafios pela frente, mas existia um questionamento da definição da tributação pelo emissor. A partir disto, o ambiente de negociação ganhou velocidade”, coloca.

A superintendente ainda pontua que, em setembro, a movimentação foi de cerca de 1,5 milhão de títulos e a perspectiva para outubro é superar os 4 milhões. Além disso, o movimento vem acompanhado de uma recuperação no preço médio.

“Os preços simbólicos que tivemos a R$ 50 no início foram logo seguidos por valores de R$ 15 e, hoje, há uma construção diária. Na última semana, tivemos um período muito latente de preços, fechando com negociações a R$68,50. Hoje (26) tivemos ofertas de venda acima de R$ 65 e ofertas de compra um pouco abaixo de R$ 60”, detalha Perestrelo

Ela ainda acrescenta que o RenovaBio é um programa único e em nada se assemelha aos outros produtos dos bancos, sendo um desafio. “É importante que os emissores que ainda não comercializam fomentem esse mercado que está pronto. Temos muitas responsabilidades pela frente”, conclui.

Além da escrituração, o banco também atua na área de intermediação e de custódia dos CBios. A primeira se refere à negociação em mercados organizados, enquanto a segunda envolve a conservação, o controle, a conciliação dos créditos e a transmissão informações de aposentadoria.

Gabrielle Rumor Koster – novaCana.com


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail