Financeiro

Raízen vende só 8% do capital e vai à B3 valendo R$ 25 bilhões a mais que Cosan


O Estado de S. Paulo - 03 ago 2021 - 08:30

Com a venda de pouco mais de 8% de seu capital a investidores, a empresa de energia renovável Raízen deve chegar à bolsa com um valor de mercado superior ao de sua controladora, Cosan, dona de 50% da empresa. O processo de definição do preço das ações na oferta inicial (IPO, da sigla em inglês) da Raízen, da qual a Shell tem os outros 50%, acontece nesta terça-feira, 3.

A demanda já é três vezes superior à oferta, com procura alta entre investidores estrangeiros, pelo fato de a companhia ter se apresentado com a pegada de sustentabilidade e como uma alternativa à transição energética de combustíveis fósseis para renováveis. Os pedidos estão sendo feitos no menor valor sugerido para os papéis, que vai de R$ 7,40 a R$ 9,60. Por isso, a expectativa é de preços entre o meio e o piso dessa faixa.

Nesse patamar, a Raízen chegaria à B3 avaliada em R$ 73 bilhões – ou R$ 25 bilhões acima do valor de mercado desta segunda, 2, da Cosan, de R$ 48 bilhões. O IPO da Raízen pode movimentar R$ 6 bilhões, considerando a colocação do lote principal ao preço mínimo. No melhor cenário, com ações no topo da faixa, a Raízen valeria R$ 95 bilhões.

A empresa está colocando apenas 8,17% de suas ações no mercado no IPO, o chamado free float – ou 10,72% caso os lotes extras sejam comprados. A expectativa é que a Raízen faça uma oferta subsequente (follow on) mais adiante para elevar a fatia das ações. O Nível 2 de governança corporativa da B3 exige ao menos 25% de free float.

Procurada, a Raízen não se pronunciou por estar em período de silêncio.

Altamiro Silva Junior e Cynthia Decloedt


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

Card image


x