Financeiro

Com prejuízo recorde e crescente, Renuka busca renegociar dívidas


novaCana.com - 31 jul 2014 - 09:22
Os prejuízos das usinas da Renuka no Brasil
A Renuka do Brasil, da gigante indiana Shree Renuka Sugars, informou nesta quarta-feira (30) um prejuízo de R$ 306,8 milhões durante o exercício encerrado em 31 de março, data de final da safra 2013/14. O resultado engloba as usinas Madhu e Revati, no estado de São Paulo.

O prejuízo atual agrava em 9% a perda anterior de R$ 281,4 milhões, registrada na safra 2012/13. Além disso, os resultados vêm se agravando ao longo das últimas quatros safras, período em que companhia somente operou no vermelho.

As perdas subsequentes e o endividamento bancário de R$ 1,465 bilhão (ante R$ 1,505 bilhões no ciclo anterior) levaram a sucroalcooleira a buscar assessoria financeira e jurídica para renegociar as dívidas. Conforme apurado pelo Valor Econômico, foi contratada pela Renuka a assessoria da Galeazzi & Associados e os advogados Joel Thomaz Bastos e Ricardo Sanches, do escritório Dias Carneiro.

Os representantes devem negociar com os principais bancos credores da companhia - que incluem Bradesco, Santander, Votorantim, Banco do Brasil e Itaú - os termos de um novo acordo esperado para os próximos 30 dias.

Ainda conforme o Valor, esta será a terceira renegociação da Renuka do Brasil desde que a companhia indiana adquiriu o controle do negócio, em meados de 2009, do grupo Equipav.

Na safra foram processadas 8,9 milhões de toneladas de cana, um incremento de produção de 22% sobre a safra anterior, quando processou 7,3 milhões de toneladas. A produção ofereceu um faturamento líquido de R$ 1,05 bilhões, valor 20,3% maior que o do ciclo anterior. Já o custo dos produtos vendidos teve aumento de 16,8%, para R$ 977,9 milhões.

Com produção de álcool, açúcar, energia elétrica e levedura seca, as unidades situadas em Promissão (Madhu) e em Brejo Alegre (Revati) possuem capacidade conjunta para processar 10,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra.

Para a safra 2014/15 projeção do grupo era elevar a moagem para 10,5 milhões de toneladas nas duas usinas paulistas, mas com a forte estiagem é possível que a companhia repita a moagem de 8,9 milhões de toneladas ou mesmo reduza o processamento até 8,5 milhões de toneladas, segundo o Valor.

No balanço a Renuka do Brasil ainda informou que "tem inovado em diversas formas de reduzir suas necessidades gerais de caixa no negócio. Nesse sentido, a companhia continua trabalhando em conjunto com fornecedores de cana interessados no plantio, para que se tornem fornecedores de cana da companhia". Com este projeto, a sucroalcooleira quer reduzir o investimento no plantio e também os efeitos dos riscos climáticos.

Em fevereiro deste ano a indiana negociou a venda de parte de 5% do grupo no Brasil para a trading de Cingapura, Wilmar Internacional. A operação permitiria uma injeção de US$ 200 milhões na companhia.

O grupo indiano possui quatro usinas no Brasil, além das duas unidades de São Paulo sob a administração da Renuka do Brasil, e as outras duas, no Paraná, são controladas pela Renuka Vale do Ivaí.

novaCana.com
Com informações adicionais do Valor Econômico