BASF
Financeiro

Fusões e aquisições entre usinas não devem crescer muito e momento de cautela impera no setor


novaCana.com - 26 jan 2016 - 11:35
Mesmo com a Guarani ao lado das usinas do grupo Ruette, foi a Black River, uma empresa de fora do mercado, que acabou comprando o grupo

Hoje o setor é palco de uma divisão clara: quem está bem e quem não está. Ao mesmo tempo em que uma parte mais robusta está pronta para operar com margens não vistas há alguns períodos, outra parte está sufocada pelo peso das dívidas, não teve oportunidades de fixar e está desequilibrada operacionalmente. São empresas em situação precária e que devem continuar afundando.

Baixar o endividamento é a prioridade número zero das sucroenergéticas. Em um setor onde a pressão cambial, a enorme quantidade de débitos e a necessidade constante de gerar liquidez são cada vez mais presentes no dia a dia das usinas, qualquer medida que ajude a reverter a situação é bem-vinda.

O movimento do início de ano envolvendo a economia chinesa e os preços do petróleo afetou o comportamento das finanças mundiais e colocou investidores em modo de espera. Aliado ao momento interno, esse ciclo reforçou a insegurança brasileira e a incerteza em relação ao etanol, mesmo com a subida de preços do açúcar.

Luis Gustavo Torrano Corrêa, diretor-presidente da FG Agro e Alexandre Figliolino, ex-Itaú BBA, convergem em suas opiniões e apontam para um sentimento de cautela envolvendo o setor sucroenergético. Mas, acreditam que há espaço para investimentos e a partir deste ano será possível enxergar um movimento voltado à consolidação do setor, ainda que limitado às possibilidades das empresas.

Confira a seguir as opiniões dos dois executivos sobre a disparidade entre os grupos, o movimento de fusões e aquisições, os investimentos no horizonte das usinas e os cuidados necessários diante do cenário atual.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

ou