Financeiro

Matriz espanhola da Abengoa registra perda de 7,6 bilhões de euros em 2016


AFP / novaCana.com - 03 mar 2017 - 10:05

A empresa espanhola Abengoa anunciou, em meio a sua tentativa de reestruturação, a perda de 7,6 bilhões de euros em 2016. O prejuízo é seis vezes maior do que o registrado em 2015. Na ocasião, o player mundial nas áreas de energia solar, eólica, biocombustíveis e gestão de água anunciou perda de 1,2 bilhão de euros, levando o mercado a temer que esta seria umas maiores falências da história moderna espanhola.

Após prolongadas negociações com seus credores, o grupo, que possui sede na cidade espanhola de Sevilha, conseguiu evitar a falência. O feito foi obtido em novembro, com 50% do capital do grupo sendo trocado pelos fundos de resgate. Os acionistas da Abengoa ainda aprovaram um pacote no valor de 1,17 bilhões de euros junto a bancos e fundos investimentos.

"Os resultados [financeiros] devem ser vistos no contexto da reestruturação da companhia. Enquanto a iminente reestruturação – para qual os nossos credores já deram sinal verde – é realizada, a redução da dívida nos permitirá equilibras as contas ", afirmou o CEO da empresa, Gonzalo Urquijo Fernandez de Araoz.

Consequências fora da Espanha

Após anos de uma expansão frenética e insustentável em todos os seus negócios, a dívida da Abengoa na Espanha tem apresentado reflexos em suas subsidiárias espalhadas pelo mundo. A companhia sequer conseguiu manter projetos em operação e construção, como as usinas de energia solar no Chile e na África do Sul, além de linhas de transmissão de eletricidade no Brasil.

O braço de bioenergia foi um dos mais atingidos, com várias plantas de bioetanol nos Estados Unidos e na Europa paralisadas por processos de falência. Em agosto do ano passado, a companhia conseguiu vender cinco plantas de etanol no Meio-Oeste norte-americano. As unidades foram leiloadas para diversas empresas do setor por um total de US$ 357 milhões como parte da sua estratégia de reestruturação de dívidas.

No Brasil, após confirmar a perspectiva de venda das usinas de etanol, a Abengoa Bioenergia afirmou que seu plano de restruturação seguia conforme o planejado. Em setembro do ano passado, a companhia anunciou que as negociações com os bancos credores avançavam dentro do ritmo esperado e a expectativa era de que, até o final do de 2016, todos os contratos já estivem renovados.

Agence France-Presse
Tradução, adaptação e informações adicionais novaCana.com


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x