PUBLICIDADE
renovacao renovacao
Financeiro

Debêntures do grupo Carlos Lyra devem financiar plantio de cana em AL e SP

Investimento da companhia foi classificado como prioritário pelo Ministério de Minas e Energia e deve atingir 26,4 mil hectares


NovaCana - 19 mai 2022 - 09:02

Mais uma sucroenergética poderá fazer a emissão de debêntures incentivadas, que oferecem vantagens para seus investidores. Um projeto do grupo Carlos Lyra obteve classificação de investimento prioritário junto ao Ministério de Minas e Energia (MME), o que permite a geração dos papéis.

A aprovação aconteceu no final de abril, mas a publicação no Diário Oficial da União foi realizada apenas em 10 de maio. De acordo com o documento, estão envolvidas as usinas Caeté, em São Miguel dos Campos (AL); Marituba, em Igreja Nova (AL); e Paulicéia, em Paulicéia (SP) – ou seja, apenas a unidade Cacheira, em Maceió (AL), ficou de fora.

Embora o valor do investimento não tenha sido divulgado, a portaria detalha que os recursos devem ser direcionados para o plantio de cana-de-açúcar em 8,8 mil hectares por safra entre 2022/23 e 2024/25. Com isso, a área total é equivalente a 26,4 mil hectares e o prazo de conclusão é em março de 2025.

Debêntures incentivadas

A emissão de debêntures incentivadas pelo setor de biocombustíveis foi aprovada pelo governo federal em junho de 2019. Os valores podem ser utilizados em atividades como renovação dos canaviais, manutenção das usinas e ampliação da capacidade de estocagem.

Conforme as regras estabelecidas, um projeto prioritário não será considerado implantado se houver um atraso superior a 50% em relação à data de conclusão do empreendimento. O acompanhamento e a comunicação dos prazos não cumpridos, por sua vez, estão a cargo da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Além disso, na emissão pública das debêntures, as empresas devem destacar a data de publicação da portaria do MME e o compromisso de alocar os recursos obtidos de acordo com o projeto prioritário aprovado.

Por fim, as companhias devem guardar a documentação relativa ao uso destes recursos por até cinco anos após o vencimento dos papéis.

Renata Bossle – NovaCana


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x