PUBLICIDADE
ARMAC
Financeiro

Copersucar sai de prejuízo para lucro de R$ 45,13 milhões em 2015/16


Agência Estado - 21 jun 2016 - 08:17 - Última atualização em: 21 jun 2016 - 14:02

A Copersucar S.A., companhia controlada por usinas e grupos de sucroenergéticos e controladora de 15 empresas de comercialização e logística de açúcar e etanol, relatou um lucro líquido consolidado de R$ 45,13 milhões em 2015/16, ante um prejuízo líquido de R$ 10,9 milhões na safra 2014/15.

"Este resultado indica que a Copersucar retomou seu ciclo de rentabilidade, ainda que abaixo do seu potencial. A consolidação do nosso modelo de negócio configura alavancas de rentabilidade para todos em nosso ciclo de operações, de modo a capturar ganhos consistentes nos próximos exercícios", afirma o presidente do conselho de administração, Luís Roberto Pogetti, em comunicado enviado à imprensa.

Com o lucro, a empresa volta ao azul, já que em 2013/14 também apresentou um resultado positivo, de R$ 157,7 milhões, e, em 2012/13, R$ 83,3 milhões de lucro líquido.

Com o resultado da safra encerrada em 31 de março de 2016, o lucro líquido aos controladores ficou em R$ 32,44 milhões, ante prejuízo líquido de R$ 8,4 milhões no período anterior, de acordo com o balanço da companhia publicado hoje no Diário Oficial do Estado de São Paulo.

Segundo a Copersucar, o período foi marcado por oscilações nos mercados globais e por instabilidade continuada no mercado interno, acentuada pelas dificuldades econômicas que têm agravado a situação do setor sucroenergético. Por outro lado, houve sinais de melhora na conjuntura do setor, com a reação dos preços internacionais do açúcar e o crescimento da demanda interna por etanol.

"O exercício anterior preparou a Copersucar para um novo ciclo estratégico. Contamos, agora, com um portfólio que reforça a liderança internacional nos principais mercados dos nossos produtos, o açúcar e o etanol, que têm valor estratégico para o planeta graças ao seu potencial de mitigar a emissão de gases de efeito estufa", afirma o diretor presidente, Paulo Roberto de Souza.

O custo dos produtos, no entanto, variou de R$ 20,45 bilhões para R$ 24,65 bilhões. Já o faturamento com serviços avançou mais de três vezes, de R$ 111,42 milhões para R$ 351,63 milhões entre 2014/15 e 2015/16, o que foi fundamental para o resultado positivo da Copersucar no período passado.

A Copersucar relatou, ainda, fortes variações positivas nas receitas financeiras em 2015/16 ante 2014/15, de R$ 1,57 bilhão para R$ 2,14 bilhões. Já as despesas financeiras saíram de R$ 2,26 bilhões para R$ 2,56 bilhões entre os períodos.

Ainda de acordo com a empresa, a endividamento líquido de estoques foi reduzido em R$ 435 milhões e encerrou o exercício em R$ 1,1 bilhão, uma redução de 28%.

Com um total de investimentos de R$ 265,2 milhões no exercício, a companhia teve como foco a conclusão dos projetos em implantação no Terminal Açucareiro Copersucar (TAC) – que registrou recorde de movimentação, com 6,2 milhões de toneladas embarcadas, superando marca registrada três anos antes – e no Terminal Copersucar de Etanol (TCE), ambos concluídos e com plena capacidade, com consequente ampliação de uso de ferrovias e melhorando a movimentação da logística do açúcar.

Comercialização

A receita líquida com a comercialização de açúcar e etanol da companhia subiu de R$ 21,248 bilhões para R$ 25,45 bilhões entre os períodos. A receita consolidada foi de R$ 26,3 bilhões – aumento de 25% em relação ao ano anterior.

Do total de receitas, a comercialização de etanol respondeu por 29%, enquanto a de açúcar representou 24%. A controlada Eco-Energy Biofuels, comercializadora e operadora logística de etanol nos Estados Unidos, respondeu pelos 47% restantes.

No ano-safra 2015/2016, a Copersucar comercializou 5 bilhões de litros de etanol (4,3 bilhões de litros vendidos no mercado doméstico), com crescimento de 16,3%, favorecido pela demanda em alta e pela recuperação dos preços.

Já a comercialização total de açúcar foi de 5,5 milhões de toneladas, ante um volume de 7,2 milhões de toneladas na safra passada, que incluía 1,6 milhão de toneladas de originação realizadas pela companhia antes da constituição da Alvean, a joint venture criada em parceria com a Cargill para atuar no trading global da commodity. Segundo a Copersucar, na mesma base de comparação, o total de açúcar comercializado se manteve estável nos dois períodos.

As usinas-sócias responderam pelo fornecimento de açúcar e etanol equivalentes a 89,3 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.

No período, a Alvean comercializou 11,5 milhões de toneladas de açúcar, com participação de 30% no mercado. No Brasil, a originação da Alvean foi de 5 milhões de toneladas.

Eco-Energy

Do total de investimentos, parcela de R$ 180,3 milhões foi destinada à expansão da infraestrutura logística da Eco-Energy nos Estados Unidos (com a implantação de três novos terminais e a aquisição de um) e à compra de participação de acionistas minoritários, elevando a participação da Copersucar, de 65% no exercício anterior, para 77%. Em abril deste ano de 2016, uma nova aquisição elevou esta fatia para 89%.

Com crescimento de 13,3% nos volumes movimentados, a Eco-Energy comercializou 8,5 bilhões de litros de etanol, mantendo a participação de 14% no mercado dos Estados Unidos. Juntas, Copersucar e Eco-Energy responderam em 2015 por 11,5% de toda a comercialização de etanol no mundo, com um volume equivalente a 13,5 bilhões de litros.

Com informações adicionais da assessoria de imprensa e edição novaCana.com


PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x