PUBLICIDADE
boletim boletim
Política

Unica faz ajustes para não perder espaço


Valor Econômico - 21 mai 2014 - 08:25 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

O conselho deliberativo da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), desde ontem presidido pelo ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, aprovou uma série de medidas para tornar a adesão à entidade um peso menor no orçamento das associadas - usinas de cana do Centro-Sul. A entidade também anunciou a demissão de 11 funcionários e o corte de outras despesas.

Com isso, o orçamento anual da Unica, que chegou recentemente a R$ 28 milhões, foi reduzido a R$ 21 milhões para 2014/15, segundo apurou o Valor. Ainda será maior do que a receita projetada para este ciclo, de R$ 18 milhões. Mas, segundo fontes, esse descasamento ainda vai ocorrer porque a redução de gastos decorrentes dos ajustes só surtirá efeito no ano que vem.

Com o enxugamento, a Unica passará a ocupar apenas um andar no prédio da avenida Faria Lima, na capital paulista, onde hoje ocupa dois pisos. Como ainda há um contrato de aluguel a ser cumprido este ano, o gasto menor apenas se refletirá em 2015/16, conforme exemplificou uma fonte. O mesmo raciocínio se aplica à dispensa de funcionários, que neste ano ainda gera despesas com rescisões trabalhistas.

A receita projetada para 2014/15, de R$ 18 milhões, representa uma queda de 40% em relação aos R$ 30 milhões obtidos em 2013/14. O recuo reflete a decisão também anunciada ontem de reduzir praticamente à metade do valor das contribuições associativas para as indústrias instaladas no Estado de São Paulo. O novo valor será de R$ 0,06 por tonelada de cana processada na safra 2013/14, ante as R$ 0,13 por tonelada que vinha sendo cobrado até então. Para indústrias instaladas fora do Estado, o valor cai de R$ 0,06 para R$ 0,045 por tonelada.

Com esses ajustes, a Unica evitou a saída de grupos que sinalizavam deixar a entidade, como o grupo Nardini, e ganhou a adesão imediata de outros, como duas unidades do grupo Alto Alegre. Na assembleia realizada ontem, a economista Elizabeth Farina foi confirmada na presidência-executiva da entidade, cargo que ocupa desde novembro de 2012.

Rodrigues substituirá o ex-ministro chefe da Casa Civil e presidente da Bunge Brasil, Pedro Parente, que exerceu a presidência do conselho desde abril de 2012. Assumem como novos conselheiros o diretor do Grupo Alto Alegre e atual presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), Luis Carlos Corrêa de Carvalho, e o empresário Riccardo Nardini, do grupo que leva seu sobrenome. O CEO da Biosev, Rui Chammas e o diretor comercial da empresa, Enrico Biancheri, passam a ocupar as duas cadeiras pertencentes à companhia no conselho.

Fabiana Batista


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x