Política

Para Bolsonaro, é possível reduzir preço de combustível em ao menos 10% sem “canetada”


Agência Estado - 22 fev 2021 - 15:49

O presidente da República, Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 22, ser possível reduzir em ao menos 10% o preço dos combustíveis sem “canetada” de sua parte e voltou a criticar a atuação de órgãos públicos que têm responsabilidade sobre o item.

Bolsonaro disse precisar “descobrir” sozinho sobre questões que, segundo ele, impactam no valor do combustível. O presidente citou novamente Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), assim como o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que é vinculado ao Ministério da Economia, e disse que mudanças serão feitas no governo “sempre que se fizer necessário”.

“Vários órgãos do governo, eu sou responsável, não faziam nada. Absolutamente nada. Um não é do governo, é a ANP, que tem a missão de controlar ali a qualidade do combustível. Do nosso lado, o Inmetro é o volume. A questão das notas fiscais, a bitributação e a receita. No fundo, ninguém fazia nada. E eu tenho que descobrir sozinho, isso. Então, a gente vai mudar. Mudanças teremos no governo sempre que se fizer necessário”, disse o presidente da República a apoiadores nesta segunda.

Ao falar sobre uma redução no preço do combustível “sem canetada”, Bolsonaro citou, por exemplo, a tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é alvo do governo federal a partir de um projeto de lei enviado ao Congresso há duas semanas. O assunto mexe com a arrecadação dos estados.

“O que acontece com os impostos? Eles são bitributados. O ICMS, por exemplo, incide não só em cima do preço do combustível na refinaria, mas também em cima da margem de lucro dos postos, da margem de lucro das transportadores, bem como em cima de PIS/Cofins, e incide sobre o próprio ICMS. Então se você jogar em cima disso daí, reduz no mínimo 10% o preço dos combustíveis na ponta da linha”, afirmou o presidente.

Bolsonaro ainda negou que exista em curso uma interferência sua na Petrobras, mas voltou a deixar clara sua insatisfação com a política de preços adotada pela estatal, que entrou na mira do presidente nos últimos dias. Ele também comentou o fato de o atual chefe da estatal, Roberto Castello Branco, ter optado pelo home office desde o início da pandemia de covid-19, o que ele disse ser “inadmissível”.

No embalo, Bolsonaro voltou a criticar as iniciativas de distanciamento social em razão da pandemia e afirmou que querem culpá-lo pelo o que ele considera serem efeitos econômicos dessas políticas. “Querem culpar a mim [sobre] a inflação. Querem culpar a mim a questão do aumento do preço de muita coisa. Sim, em especial alimentação. O desemprego também quer culpar a mim. Quem fechou o comércio não fui eu. Desde o começo eu falei que não podíamos fechar o comércio. Deviam tratar a questão do vírus e do desemprego com a mesma responsabilidade e de forma simultânea”, disse.

E concluiu: “A maioria da população brasileira não pode ficar em casa. Não vai aparecer comida na geladeira deles. Ele tem que se virar, correr atrás. Agora a política, completamente – para ser educado – equivocada, levou o Estado para a situação que nós nos encontramos. Se não fosse trabalho nosso, o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), ajuda a governadores, a prefeitos, entre tantas outras medidas, estaria uma desgraça o Brasil. Estaria o padrão Venezuela, hoje em dia”.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail



x