BASF
Política

Maurilio Biagi diz que não será vice do pré-candidato Padilha ao governo de SP


Folha de S. Paulo - 17 fev 2014 - 08:22 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
maurilio-biagi-filho-170214
O empresário ligado ao setor sucroenergético Maurilio Biagi Filho anunciou nesta sexta-feira (14) que não será candidato a vice-governador de São Paulo na chapa que tem como pré-candidato o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT).

Segundo ele, a decisão foi de ordem pessoal e comunicada ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Padilha após o jantar oferecido pelo empresário na sexta-feira (7) com a participação de cerca de 200 usineiros e produtores rurais.

Apesar disso, de acordo com Biagi Filho, a decisão veio também após tomar consciência "do que é o sistema, do que é uma campanha". "Não é o que eu quero. Nunca participei de campanha e não vou participar, mas vou continuar colaborando com todos", disse.

Com 71 anos, o empresário afirmou que a "cabeça de empresário" agiu para a decisão. De acordo com ele, se eleito com Padilha, a relação perante às pessoas ia mudar. "Eu seria do time A, B ou C. Por isso, estou abrindo mão para uma pessoa com mais vontade".

Biagi Filho não quis comentar sobre quem poderá ocupar a vaga de vice-governador na chapa petista.

Na última semana, Padilha afirmou que o PT vai conversar com os partidos aliados ao governo Dilma Rousseff para buscar um candidato a vice que "amplie os horizontes" do partido com setores econômicos que historicamente não dialogavam com o PT.

A tentativa de Lula de trazer o empresário para a política seria estreitar a relação com o setor produtivo rural. No encontro organizado por Biagi Filho na sexta, o ex-presidente ouviu muitas críticas de representantes do setor.

A presidente da Unica (União da Indústria da Cana-de-Açúcar) Elizabeth Farina falou durante o jantar e foi aplaudida pelos empresários ruralistas.

FILIADO AO PR
O convite para a possível candidatura foi feito pelo ex-presidente em outubro do ano passado. Biagi Filho se filiou ao PR, mas afirmou que diante da decisão "não vê razão para continuar no partido". Ele, porém, não disse quando fará sua desfiliação.