Política

Governo define nome para substituir Ricardo Dornelles no MME


NovaCana - 01 set 2016 - 09:50
imae intro
Miguel Ivan Lacerda de Oliveira deve ser o novo elo entre o setor sucroenergético e o Governo Federal

O governo federal já definiu o nome do futuro diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis (DCR) do Ministério de Minas e Energia (MME). O cargo, que desde sua criação foi ocupado por Ricardo Dornelles, está vago desde o dia 3 de agosto e a definição do novo ocupante era aguardada com ansiedade tanto pelo setor sucroenergético quanto pelo de biodiesel.

De acordo com informações exclusivas obtidas pelo novacana, o posto passará a ser ocupado por Miguel Ivan Lacerda de Oliveira. Ele é funcionário de carreira da Embrapa, mas, atualmente, está cedido para a Companhia do Metropolitano Distrito Federal – Metrô/DF onde ocupa o cargo de Chefe de Assessoria.

Lacerda tem uma formação e uma trajetória profissional diversificadas. Graduado em economia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), tem mestrado em agronegócio pela Universidade Federal de Goiás e, até 2014, estava fazendo doutorado em psicologia também pela PUC-GO.

Antes de assumir seu atual cargo no Metrô/DF, trabalhou, de 2001 a 2011, no Sebrae. Ainda em 2011 entrou para a Embrapa e, no mesmo ano, virou diretor do Departamento de Gestão de Programas de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional.

Entre 2012 a 2014, ele foi Secretário Nacional de Irrigação no mesmo ministério.

Elo entre empresas e governo

O cargo de diretor do DCR sempre funcionou como uma ligação entre o setor privado e o governo federal. A postura de Dornelles de manter o diálogo aberto, mesmo quando o interesse do governo e do setor privado eram incompatíveis, reforçou esse papel ao longo dos anos.

Por essa razão, o cargo – e o profissional que o ocupa – é de grande importância para o desenvolvimento da indústria de biocombustíveis no Brasil. O novo diretor deve ser, assim, um dos principais focos do setor sucroenergético para mostrar porque é necessária uma perspectiva de longo prazo. Também será ele que ouvirá dos produtores de biodiesel a necessidade de antecipação dos aumentos de mistura obrigatória e de mudanças no sistema de leilões.

A nomeação de Lacerda de Oliveira como diretor no MME ainda não tem uma data certa para acontecer, mas deve vir logo. O pedido de cessão do funcionário ao Ministério da Agricultura – do qual a Embrapa faz parte – já foi realizado e está em andamento.

Miguel Angelo Vedana – novaCana.com


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x