PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Política

Ciro Nogueira descarta, por ora, subsídios a combustíveis

Ministro também afasta intenção de revisar a política de preços, mas diz que há expectativa de maior transparência na comunicação


Folha de S. Paulo - 08 abr 2022 - 07:50

O ministro Ciro Nogueira (Casa Civil) afirma que o governo não tem a intenção de alterar a política de preços da Petrobras e diz que a ideia de um subsídio para conter a inflação dos combustíveis está, no momento, descartada.

Depois de dias de impasse, o governo Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira, 6, a segunda troca no comando da companhia, ao indicar para a presidência da petroleira José Mauro Ferreira Coelho, presidente do Conselho de Administração da estatal PPSA (Pré-Sal Petróleo S.A.).

O ministro disse que a mudança foi uma decisão do presidente Jair Bolsonaro (PL), que espera mais “transparência” na comunicação da política de preço da companhia. Mas ele reforça que a intenção do governo não é interferir na estatal.

“É uma situação demagógica dizer que vai tornar o preço dos combustíveis em real. O arroz é em dólar, o feijão é em dólar, o álcool é em dólar”, disse à Folha. “A Petrobras vai continuar totalmente independente”, completou.

Desde que a guerra na Ucrânia pressionou o preço dos combustíveis e a estatal fez um aumento nos valores, Bolsonaro passou a criticar a gestão da companhia e chegou a sugerir mudança na política de preços.

Segundo o titular da Casa Civil, a ideia de se conceder um subsídio era pensada no cenário em que o barril do petróleo chegava a US$ 200. Agora, a tendência tanto do dólar como do preço dos combustíveis é de queda, por isso, a hipótese está descartada no momento.

Apesar de Bolsonaro ter dado declarações públicas sinalizando que o general Silva e Luna – que deixará o comando da Petrobras – deveria rever o aumento no preço dos combustíveis, o ministro afirma que a pressão não partiu do presidente, mas “das ruas”.

“É pressão das ruas, da população que às vezes não entende como somos autossuficientes em petróleo e temos que ficar com essa dependência [de refinarias do exterior]”, diz. Para Nogueira, a estatal falha na sua comunicação e precisa explicar melhor a forma como se dá a composição de preços que resultam no valor final dos combustíveis.

Questionado sobre o que o presidente espera da nova gestão da Petrobras, diz: “Que dê mais transparência a essa situação. Eu acho que a Petrobras erra muito na sua comunicação, de explicar para a sociedade os componentes do preço”.

“[Tem que explicar] Quem é que está cobrando e o que as pessoas, ao abastecer o seu carro, estão pagando”, avalia.

O ministro também atribui aos governadores o aumento no preço dos combustíveis na ponta. De acordo com ele, as gestões estaduais elevaram suas arrecadações em cima de impostos que cobram sobre o preço da gasolina, por exemplo.

“Ao contrário do governo federal, que não arrecadou nada mais, pelo contrário, nós abrimos mão de arrecadação, os governos estaduais aumentaram em 36% a sua arrecadação. Isso foi um absurdo e um crime que os governadores fizeram contra a população brasileira”.

Ao criticar os governadores, Nogueira acompanha o que Bolsonaro tem dito nos últimos meses. O Planalto propôs ao Congresso um projeto de lei para alterar o modelo de cobrança do ICMS e zerar o PIS/Cofins de combustíveis – o texto já foi aprovado pelo Legislativo e sancionado.

Julia Chaib, Marianna Holanda e Mateus Vargas

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x