PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Etanol: Mercado: Regulação

[Opinião] Aprimoramentos na regulação devem impulsionar uso de biogás e biometano


EPBR - 11 mai 2022 - 08:24 - Última atualização em: 12 mai 2022 - 14:51

Por Felipe Boechem*

Historicamente no Brasil, o biogás (originado a partir da digestão anaeróbia de matéria orgânica) e o biometano (tipo de biocombustível obtido através do processamento do biogás) sempre tiveram sua regulamentação mais ligada a outros biocombustíveis como o etanol e o biodiesel do que propriamente ao gás natural.

Tal ligação ficava evidente na Lei do Gás anterior (Lei nº 11.909/2009) e em seu decreto regulamentador (Decreto nº 7.382/2010), que tratavam apenas do gás natural de origem fóssil.

Isso segue presente na vigente regulamentação da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). As atividades de produção de etanol, biodiesel e biometano são tratadas em conjunto na Resolução ANP nº 734/2018, e a regulação das atividades da indústria de gás natural, especialmente as de autoprodução, auto importação, comercialização e carregamento, adotam como referência apenas o gás natural de origem fóssil, o que não abrange tecnicamente o conceito de biometano.

Esse cenário começou a mudar recentemente com a aprovação da nova Lei do Gás (14.134/2021) e seu decreto regulamentador (Decreto nº 10.712/2021), que estabeleceram que os gases que, embora não estejam enquadrados na definição de gás natural, sejam intercambiáveis com o gás natural poderão receber tratamento equivalente ao gás natural para todos os fins, desde que aderentes às especificações da ANP.

Tal medida possibilita que o biometano seja considerado fungível com o gás natural de origem fóssil, podendo ser injetado na malha de gasodutos de transporte e comercializado junto ao mercado de gás natural que está se desenvolvendo de forma substancial no Brasil.

Dessa forma, estimula-se o uso do biogás e do biometano em linha com o movimento global de promoção de novas fontes de energia que viabilizem a transição para uma economia de baixo carbono, bem como ao interesse crescente de agentes privados e entes públicos no desenvolvimento de projetos de biogás e biometano no Brasil.

Outra importante iniciativa visando o fomento do biogás e biometano no país foi a inclusão do biometano no RenovaBio, programa de créditos de carbono aplicado ao setor de distribuição de combustíveis instituído pela Lei nº 13.576/2021 e regulado pela ANP.

O RenovaBio permite que projetos de biometano se qualifiquem para gerar créditos de descarbonização (CBios) a serem adquiridos dentro do programa por distribuidoras de combustíveis, que são obrigadas a adquiri-los em montante suficiente para atender suas metas individuais.

Novas regras focam no biogás e biometano

Em março de 2022, o Governo Federal avançou ainda mais na agenda de promoção do biogás e biometano por meio da edição de normas.

Em primeiro lugar, destaca-se o Decreto nº 11.003/2022, que instituiu a Estratégia Federal de Incentivo ao Uso Sustentável de Biogás e Biometano com o objetivo de fomentar programas e ações para reduzir as emissões de metano, incentivar o uso de biogás e biometano como fontes renováveis de energia e combustível, e contribuir para o cumprimento de compromissos climáticos assumidos pelo país.

Dentre as diretrizes do decreto, estão:

  • O incentivo ao mercado de carbono, em especial ao crédito de metano (modelo similar ao crédito de carbono)
  • A promoção da implantação de biodigestores e sistemas de purificação de biogás e de produção e compressão de biometano
  • A promoção de iniciativas para o abastecimento de veículos leves e pesados com biometano, tais como corredores verdes

Em relação a este último quesito, cabe destacar os possíveis benefícios a serem usufruídos pela agroindústria brasileira por meio de uma melhor gestão de resíduos, do aproveitamento energético de um passivo ambiental, da geração de novas receitas e da redução da sua pegada de carbono, o que aumentará sua competitividade no mercado internacional.

A governança, a integração e a coordenação das ações necessárias à implementação da Estratégia Federal de Incentivo ao Uso Sustentável de Biogás e Biometano serão realizadas no âmbito do Comitê Interministerial sobre a Mudança do Clima e o Crescimento Verde, de que trata o decreto 10.845/2021, e os Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e de Minas e Energia (MME) poderão editar normas complementares no âmbito de suas competências.

Metano Zero

Além disso, a Portaria MMA nº 71/2022 institui o Programa Nacional de Redução de Emissões de Metano – Metano Zero, previsto no Decreto Federal nº 11.003/2022.

De acordo com a portaria, o programa deverá ser coordenado pela Secretaria de Qualidade Ambiental, em articulação com a Secretaria de Clima e Relações Internacionais, do Ministério do Meio Ambiente, e contará com os seguintes “instrumentos”: o Programa Nacional de Crescimento Verde; o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima; e as linhas de pesquisa das agências de fomento.

Para completar, a portaria Normativa nº 37/GM/MME/2022 alterou a Portaria Normativa nº 19/MME/2021 para incluir investimentos em biometano no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi), que proporciona a suspensão da cobrança de PIS/Cofins para aquisição de máquinas, materiais de construção, equipamentos, dentre outros componentes.

Por serem de conteúdo essencialmente principiológico, as normas ainda precisarão de posterior regulamentação pelos órgãos competentes, que deverão garantir a segurança jurídica necessária para que os investimentos desejados sejam realizados.

É o caso, por exemplo, da ANP, que possui em sua agenda regulatória uma extensa revisão da regulamentação sobre gás natural. A expectativa é de que a edição de novas normas pela agência aprimore alguns pontos regulatórios no sentido de reforçar o caráter intercambiável do gás natural de origem fóssil e do biometano.

Propostas no Congresso Nacional

Em paralelo, tramita no Congresso Nacional o PL nº 3865/2021, que propõe a criação do Programa de Incentivo à Produção e ao Aproveitamento de Biogás, de Biometano e de Coprodutos Associados (PIBB). Esse programa busca promover a participação das energias renováveis na matriz energética nacional por meio da geração de gases combustíveis provenientes de biomassa e o fomento à infraestrutura logística necessária.

Segundo o referido PL, fica a cargo da União a adoção de ações para o mapeamento da geração de resíduos orgânicos passíveis de conversão em energias renováveis bem como a regulamentação do uso de biogás como “gás de processo” ou “matéria-prima para a bioeconomia”.

Vale ainda destacar o PLS nº 302/2018, que altera a Lei nº 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos), para incentivar empresas que produzem biogás, metano e energia elétrica a partir de resíduos sólidos em aterros urbanos através de linhas de financiamento por parte do poder público e incentivos fiscais.

O PLS foi aprovado nesta terça-feira, 10, na Comissão de Infraestrutura do Senado Federal.

Regras para o consumo nos estados

No âmbito estadual, também há diversas iniciativas de promoção do uso de biogás e biometano tanto do ponto de vista regulatório quanto tributário.

Em São Paulo, o Decreto nº 58.659/2012 instituiu o Programa Paulista de Biogás com a diretriz de incentivar a ampliação da participação de energias renováveis na matriz energética do estado de São Paulo, assim como estabelecer a adição de um percentual mínimo de biometano ao gás canalizado comercializado no estado.

Do ponto de vista tributário, o estado também concede redução da base de cálculo do ICMS para as saídas de biogás e biometano dentro de São Paulo.

No Rio de Janeiro, a Lei nº 6.361/2012 estabelece a política estadual de gás natural renovável, que prevê que as concessionárias de distribuição de gás canalizado são obrigadas a adquirir todo o biometano produzido no estado até o limite de 10% do volume de gás natural convencional distribuído por cada uma delas, não incluído o volume destinado ao mercado termelétrico.

Ademais, foi aprovada este ano a Lei nº 9.635/2022 que reduziu base de cálculo do ICMS nas saídas internas com biogás e biometano, bem como foi anunciado o Mapa da Produção de Biogás, elaborado em parceria com a ABiogás, com objetivo de apresentar o cenário de produção, as oportunidades de crescimento e as iniciativas do governo fluminense para estimular os investimentos na geração de energia limpa no estado.

Até que esse processo de aprimoramento das regras pelos governos federal e estaduais seja concluído, espera-se que eventuais dúvidas sejam sanadas por meio da realização de reuniões e consultas às autoridades competentes.

* Felipe Boechem é sócio da área de energia e infraestrutura e líder da prática de petróleo e gás do Lefosse, já foi consultor do Ministério de Recursos Minerais de Moçambique, gerente jurídico da Shell Brasil nas áreas de desenvolvimento de novos negócios e exploração, e trabalhou como associado internacional no escritório Cuatrecasas, Gonçalves e Pereira, em Barcelona
Com contribuição de Andre Lemos, Pedro Vargas e Stephani Oliveira


Textos opinativos não necessariamente traduzem a opinião do NovaCana. A publicação visa estimular o debate e proporcionar uma variedade de pontos de vista para os leitores.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x