BASF
Etanol: Preços

Valores médios de etanol devem superar os das últimas três temporadas


Agência Estado - 26 jan 2016 - 09:17 - Última atualização em: 26 jan 2016 - 12:08

Se os preços mensais do etanol negociado no mercado paulista permanecerem neste primeiro trimestre em patamares semelhantes aos de dezembro/15, as médias do ano-safra 2015/16 devem superar as das três temporadas anteriores, embora ainda fiquem abaixo das de 2011/12.

Para o hidratado, cálculos do Cepea apontam que a média do Indicador Cepea/Esalq na atual safra (de abril de 2015 a março de 2016) ficaria na casa dos R$ 1,50/litro, em termos reais (deflacionando-se pelo IGP-M de dez/15), alta de 8% em relação ao valor médio da temporada anterior, de R$ 1,3869/l, de 6,3% sobre o do ano-safra 2013/14, de R$ 1,4114, e de 8,9% no comparativo com o da 2012/13, de R$ 1,3779/l. Por outro lado, em relação à média de 2011/12, de R$ 1,5662/l, a atual seria 4% menor.

Com comportamento semelhante, o Indicador Cepea/Esalq do anidro encerraria esta temporada na média de R$ 1,64/l, ante os valores de R$ 1,5539/l, R$ 1,5957/l e R$ 1,5512/l, respectivamente, dos anos-safras anteriores. Em 2011/12, o Indicador médio do combustível foi de R$ 1,8535/l – valores também deflacionados.

Na última semana, especificamente, os preços do etanol hidratado caíram, interrompendo o movimento de alta das três semanas anteriores. O principal motivo para a variação negativa foi o aumento no volume ofertado. Aquelas usinas que continuam processando a cana da safra 2015/16 foram favorecidas pelo clima, tendo em vista que as chuvas cessaram em parte das regiões produtoras do Centro-Sul. Além disso, a necessidade de caixa de algumas unidades reforçou o incremento na oferta. Do lado da demanda, distribuidoras mostraram um menor interesse de compra nos últimos dias.

Entre 18 e 22 de janeiro, o Indicador Cepea/Esalq do hidratado foi de R$ 1,8469/litro (sem impostos), recuo de 0,7% em relação à semana anterior. O Indicador diário do hidratado ESALQ/BM&FBovespa posto Paulínia caiu 0,4% ao serem comparadas as duas últimas sextas-feiras, fechando o dia 22 a R$ 1.798,00/m3.

Para o anidro, os preços também recuaram, depois de subir por seis semanas seguidas. O Indicador Cepea/Esalq foi de R$ 2,0582/litro (sem impostos) entre 18 e 22 de janeiro, retração de 1% sobre o período anterior. A maioria dos negócios envolvendo esse combustível continua ocorrendo via contrato.

Nos postos, o preço do hidratado se mantém acima dos 70% do valor da gasolina em todos os estados brasileiros. Segundo informações da ANP referentes ao intervalo de 17 a 23 de janeiro, a cotação média do hidratado foi de R$ 2,623/l em São Paulo, correspondendo a 74,5% do valor do combustível fóssil (R$ 3,519/l).

Do ponto de vista das unidades produtoras de açúcar e etanol, cálculos do Cepea mostram que o açúcar cristal remunerou 37% a mais que o anidro e 44% a mais que o hidratado na semana passada. Comparando-se os dois tipos de etanol, o anidro remunerou 5% a mais que o hidratado.

O preço médio do etanol anidro que seria equivalente ao do açúcar cristal foi calculado em R$ 2,8232/litro (sem impostos) em igual intervalo. Para obter equiparação com o açúcar, o hidratado precisaria ter tido média de R$ 2,6574/litro (sem impostos) e, com o anidro, de R$ 1,9427/litro (sem impostos).

No mercado internacional, o contrato de etanol anidro combustível desnaturado (primeiro vencimento – Fevereiro/16), na Bolsa de Chicago (CME/CBOT), subiu 3,19% entre 15 e 22 de janeiro, com a média semanal a US$ 1,3680/galão (US$ 361,43/m3). Já na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato futuro de crude oil com vencimento em Março/16 teve média semanal de US$ 29,63/barril, alta de 9,42% comparando-se as últimas duas sextas-feiras.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail