Etanol: Preços

"Alta no preço do etanol deve continuar em 2020", diz FCStone

Segundo a consultoria, as cotações nas usinas podem renovar suas máximas durante o período de entressafra no cinturão canavieiro


Canal Rural - 07 jan 2020 - 10:20

[Publicado em 30 de dezembro de 2019]

Embora com menor representatividade nas perspectivas para o açúcar no primeiro trimestre de 2020, o Brasil deve continuar sob os holofotes quando o assunto é etanol. Esse é o parecer dado pela consultoria INTL FCStone sobre o combustível, que ressalta que é importante notar que a dinâmica entre produção, consumo e preços do biocombustível tem se mostrado única no ciclo 2019/2020 (abr-mar).

As perspectivas para o curto prazo estão majoritariamente atreladas ao etanol hidratado comercializado no mercado interno. Em meio às vendas domésticas recordes, o preço PVU (Posto-Veículo-Usina) do produto se manteve elevado durante grande parte da temporada atual.

Segundo a consultoria, o consumo tem sido um fator de suporte tão importante que, mesmo com estoques ao fim de outubro atingindo patamar recorde no cinturão canavieiro, a pressão sobre as cotações foi bastante limitada.

Há disparidade expressiva entre os preços PVU e nos postos. Considerando o período compreendido entre o início de setembro de 2019 e a quarta semana de novembro, data de finalização deste relatório, observou-se que as cotações do hidratado em Ribeirão Preto (SP), importante praça de referência, apresentaram valorização de R$ 0,310 por litro. Ao mesmo tempo, o preço médio nas bombas do estado de São Paulo registrou crescimento de R$ 0,182 por litro no período analisado – gerando uma discrepância de aproximadamente R$ 0,128 o litro.

Esse contexto tem mantido a competitividade do etanol frente à gasolina aos consumidores finais, estimulando a demanda pelo produto apesar do elevado patamar de preço nas usinas. Desta forma, considerando que o recente ajuste de R$ 0,05 por litro no preço da gasolina A seja integralmente repassado às bombas, espera-se que a procura por hidratado permaneça firme no curto prazo, o que pode pressionar o armazenamento do biocombustível de forma expressiva na região.

No médio e longo prazo, é preciso que o consumo se arrefeça para evitar aperto expressivo no balanço de oferta e demanda no Centro-Sul. Neste sentido, é possível que tendência de alta nos preços do hidratado PVU e nas bombas persistam: enquanto a valorização nos postos possa ser mais expressiva, dada a defasagem citada anteriormente, as cotações nas usinas podem renovar suas máximas durante o período de entressafra no cinturão canavieiro.

“Obviamente, análise sobre o consumo de etanol no primeiro trimestre de 2020 precisa ser ponderada pelas perspectivas para petróleo e para o câmbio brasileiro. Espera-se relativa estabilidade nas cotações do petróleo ao longo do período analisado ao passo que o câmbio brasileiro trace tendência de queda”, disse a empresa. Em termos práticos, esse cenário sinaliza que as cotações da gasolina podem se mostrar mais baixas no período, mitigando ainda mais a atratividade do etanol ao consumidor final.

As importações de biocombustível no 1º trimestre de 2020

Como não poderia deixar de ser, o Norte e o Nordeste do Brasil devem ser destaque sob a ótica das importações de etanol. Mesmo em meio ao mix mais açucareiro nessas regiões em 2019/2020 (set-ago), espera-se que a internalização de etanol se mantenha mais branda no período analisado. Isso porque em meio às alterações nas premissas das cotas de importação do biocombustível (distribuição temporal dos volumes trimestrais e utilização exclusiva da cota por produtores de álcool), a aquisição internacional com a incidência de alíquota de 20% geralmente se mostra menos vantajosa às regiões.

Segundo a INTL FCStone, surgiram questionamentos acerca da possibilidade de que maior volume de etanol fabricado no Centro-Sul pudesse suprir parte mais significativa da demanda do Norte-Nordeste. Contudo, os elevados custos logísticos, o diferencial tributário entre as regiões e demanda firme no cinturão canavieiro devem atuar como importantes limitantes à concretização desse cenário.